>

quinta-feira, outubro 18, 2012

2. Benó



Estava ali, o pau de pita reflectido no charco de águas barrentas como se fosse num espelho do mais puro cristal, vigoroso e altaneiro, vaidoso da sua altura. 
Irrompeu da piteira mãe, parecendo um gigantesco espargo verde, cresceu, criou uns pequenos braços que deram frutos sem qualquer valor alimentar mas que lhe dão uma certa graciosidade. 
Quem lhe deu vida morrerá em breve, mas antes, assegurou a sua descendência fazendo nascer outras pequenas piteiras sob as folhas grandes e carnudas que pouco a pouco vão murchando. 
Estava ali, mas em pouco tempo o pau de pita também deixará de existir e para sempre tombará velho e ressequido. Ficará, porém, recordado para sempre neste registo fotográfico. 

Benó

7 Comments:

Blogger M. said...

Serão talvez assim as memórias que cada um deixa no seu álbum de vida no mundo que lhe cabe: uma sombra em tons sépia.
Belísisma esta fotografia.

18/10/12  
Blogger Licínia Quitério said...

A memória contra a morte.

18/10/12  
Anonymous Anónimo said...

Fizeste bem, Benó, imortalizando o tempo nesse reflexo, quase uma história de vida. Na foto e nas palavras!
bettips

18/10/12  
Blogger Rocha de Sousa said...


Curiosa e melancólica relação en-
tre a fotografia e o texto. O re-
flexo cria o inverso da nossa ver-
calidade, evoca a perda e a morte.
Mas sobreviverá a quem o viu e visitou.

19/10/12  
Blogger Luisa said...

Os reflexos ficarão sempre na nossa memória.

19/10/12  
Blogger Justine said...

Tu guardaste o momento. A natureza se encarregará de o renovar...

19/10/12  
Anonymous Anónimo said...

Linda esta foto que casa na perfeição com o texto.
Agrades

20/10/12  

Enviar um comentário

<< Home