>

quinta-feira, novembro 15, 2012

2. Benó

Brancura imaculada atirada para a sujidade da rua. Ninguém olha, ninguém repara, serão pisadas, espezinhadas, pontapeadas por todos sem dó nem piedade, atiradas para a valeta como objectos sem valor. Dentro em pouco, da pureza branca, nada mais restará que farrapos, restos do que foi e não mais voltará a ser.
 
Benó

5 Comments:

Blogger M. said...

E agora que sabemos a "origem" da fotografia, afinal a tal brancura imaculada de que falas pode ser aproveitada por outros.
Conclusão: estamos sempre a enganar-nos. :-))

17/11/12  
Blogger Justine said...

Uma visão apocaliptíca, Benó! Mas não estamos nós a viver tempos apocalípticos???

17/11/12  
Blogger Sérgio Ribeiro said...

Isto sem chuva e lama a que tais objectos estariam habituados (se fossem de gente sem dinheiro calçando de branco no inverno, colo li em palavras aí atrás).
Mas há algum desconforto nessa visão... será dos tempos que vivemos?

18/11/12  
Blogger bettips said...

Do engano se fez luz. Mas o teu texto, Benó, era bem apropriado à brancura e ao abandono no desacerto da sujidade!

19/11/12  
Blogger Rocha de Sousa said...

Se o todo desta instalação não nos é mostrado, que remédio senão fazer
como aqui se fez -- e num bom texto.

21/11/12  

Enviar um comentário

<< Home