>

quinta-feira, dezembro 06, 2012

9. Mena M.



                      Mecânico

12 Comments:

Blogger Rocha de Sousa said...

Notável ideias sobre o homem, a
performance, os velhos carros elé-
ctricos, as inomináveis condena-
ções. Eu não sabia que não era preciso fazer texto em complemen-
taridade.

6/12/12  
Blogger agrades said...

Olhar de "me"stre!
Uma foto gira e que vai " pano para mangas" para explicações que eu ja estou a espera...

6/12/12  
Blogger M. said...

Rocha de Sousa:

Olhe que já várias vezes lhe disse o que é preciso fazer em cada desafio, só que que a sua imaginação é tão fértil que por vezes se baralha. E por acaso numa anterior ocasião, aproveitei a ideia da Bettips e sugeri em post no PPP que era uma ideia interessante que cada um usaria ou não conforme o desejasse.
Como reparou certamente, publiquei o seu texto tal e qual como mo enviou.

6/12/12  
Blogger M. said...

Como mmarionetas? Pendurados e sem cabeça por causa dos mecanismos que nos infernizam a vida?

6/12/12  
Blogger Licínia Quitério said...

Estes não são o "homem sem qualidades", mas o homem sem auto-determinação. Digo eu, que tanto há a dizer sobre a peça.

6/12/12  
Blogger Luisa said...

Uma foto intrigrante. Será que já não conseguimos ser mais do que bonecos?

6/12/12  
Blogger bettips said...

Uma linha de produção, sem ideias,
sem sentimento.
Uma ideia gira que a mim me sugere o contraditório: para nos mostrar como NÃO nos deixarmos manobrar!

6/12/12  
Blogger Benó said...

Vi esta exposição em Serralves.
Tiveste uma lembrança bem original.

7/12/12  
Blogger mena maya said...

Agrades esta instalação fotografei no CCB no Museu Colecção Berardo

Ao vivo émuito impressionante, fizeram-me lembrar os bovinos pendurados nos ganchos ma linha do abate...

Aqui na foto, ainda que de cabeça perdida, desfilam com um certo equilíbrio e elegância de movimento,que suaviza o impacto.


8/12/12  
Anonymous Anónimo said...

Os mecânicos fazem parte da produção em massa, são apenas matériais como outros quaisquer, como ferro, plástico, vidro ...o indivídio/a pessoa, entra na cadeia de produção e deixa de existir como parte mais importante do processo.

Teresa Silva

9/12/12  
Blogger jawaa said...

Pois, Mena, apesar da elegância da postura, o significado profundo destes «tempos modernos» tirou-me a voz no primeiro dia em que passei por aqui. Continua demasiado real e actual esta imagem.
Gosto frequentemente das tuas opções no PPP.

10/12/12  
Blogger Justine said...

Vi uma exposição enorme das esculturas dos "homúnculos" do Juan Muñoz em Serralves há uns anos, e era mesmo impressionante! Há no jardim da Cordoaria, no Porto, 2 ou 3 esculturas dele. Sempre intrigante e muito interessante

10/12/12  

Enviar um comentário

<< Home