>

quinta-feira, janeiro 10, 2013

6. Licínia



Os muros estão ali para contarem que houve um tempo antes da casa. E antes dele nasceram as pedras. A memória antiga das pedras fala de conchas, de peixes, de sal. Ao princípio era o mar, depois a terra e os seus bichos. E houve guerras quando chegaram os homens que fizeram os muros. E fizeram a casa. E plantaram a árvore. E colhem os frutos. E vivem e dormem, por detrás da cal, na casa de segredos, na concha de terra que veio depois do mar, depois do nada que foi antes do mar, antes, muito antes. 

Licínia

9 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Fotografia aberta à luz e, pelo que
o texto nos diz,à evolução e ao segredo da vida ali serena, sob a árvore.

Rocha de Sousa

10/1/13  
Blogger M. said...

A brancura da beleza da História na luz da esperança e do amor com que se constrói a vida. Linda!

10/1/13  
Blogger agrades said...

Um muro caiado que revela o cuidado de manutenção dos donos...

10/1/13  
Blogger Luisa said...

As origens de tudo.

12/1/13  
Blogger Justine said...

Uma concha humana encantadora, um texto/poema de princípios e meios! O fim está longe...

13/1/13  
Anonymous do Zambujal said...

... e antes, e depois, e enquanto... sempre o tempo!

13/1/13  
Blogger mena maya said...

Um muro-ponte entre a vida e a poesia.

14/1/13  
Blogger Benó said...

Um muro enganador. Todo aperaltado, caiado de branco para tapar as pedras velhas que o formam. É como muitas pessoas.

14/1/13  
Blogger bettips said...

E como falam as pedras, de branco casadas com a árvore. Depois de tanto mar, um sossego de chegada, este muro-vida que o poeta dobra/doba, ao sol.

15/1/13  

Enviar um comentário

<< Home