>

quinta-feira, fevereiro 21, 2013

4. Jawaa

Um antiquário é um lugar de culto. É uma catedral antiga, daquelas onde repousam os mortos pela Idade Média, as inscrições dos túmulos apagadas pelo deslizar dos passos ao longo da nave. Os objectos amontoam-se lado a lado, unidos pelas memórias mais perenes de quem um dia os exaltou, votados agora ao abandono à solidão ao esquecimento. Gritam ainda a sua nobreza, o brilho, o esplendor antigo, contam em silêncio as viagens os sonhos as venturas, marcam épocas, sugerem intimidades. 
Os objectos de arte herdam-se, não se compram, dita a altivez da boa linhagem, mas é a esperança que lhes resta, o resgate pelo poder da moeda. 

Jawaa

6 Comments:

Blogger M. said...

Pois, o pior é quando ninguém os quer. É que cada um gosta de ter o seu esplendor muito seu, pelo que...

21/2/13  
Blogger Luisa said...

E quem lhes dará o valor que já tiveram?

21/2/13  
Blogger Rocha de Sousa said...

É muito interessante a sua perce-
pção porque a fotografia do molhe
de objectos não regista antiguida-
des: «são rosas, senhor», diria alguém há muito tempo. Todo esta
balbúrdia, em armazém, cria a ideia
de preciosiades entre recorrências.
Mas são objectos oriundos dos anos
50 até há pouco e esperam uma venda
que só algum revivalismo surpre-
endente pode fazer acontecer.

21/2/13  
Blogger bettips said...

Um lugar de culto, bem o dizes Jawaa, culto da memória; e com melindre devemos olhar as memórias de outros, nunca o poder da moeda as poderão corromper. Por isso acho belo quando são doadas ou emprestadas "coisas" a museus para fruição de todos.

21/2/13  
Blogger Justine said...

Os objectos, assim abandonados, perdem sentido. Só nós, ao adquiri-los ou ao sonhá-los, lhes conferimos de novo um sentido...

24/2/13  
Blogger Licínia Quitério said...

Também a compra lhes pode restituir afectos. Haja alguém que saiba para que pode servir o dinheiro.

25/2/13  

Enviar um comentário

<< Home