>

quinta-feira, março 21, 2013

5. Licínia

Dizem que tem sete cores, o arco-íris, o arco-no-céu, o arco-da-chuva, o arco-da-velha, mas que só as mostra quando chove e faz sol ao mesmo tempo. Capricho colorido o deste arco que tem um pé aqui, um pé ali, tão perto e tão longe que nunca ninguém o tocou. Se o encontrássemos, escavando bem a terra onde se poisa, encontraríamos um pote de ouro, um pote cheiinho de luz, igual à felicidade que sonhamos. 
Foi do que me lembrei ao contemplar esta pintura que talvez seja a imagem que fica, no avesso das pálpebras, depois de fixarmos, avidamente, a aparição tão rara dos nossos dias de arco-íris. 

Licínia

7 Comments:

Blogger Rocha de Sousa said...

Ver é compreender: e, neste caso, a observação esbarra com a memória
da luz branca do espectro solar. O
quadro não foi feito nessa busca,
mas numa harmonia em que as cores
básicas se alternam numa espécie
de sombra.

22/3/13  
Blogger Licínia Quitério said...

Rocha de Sousa, eu vejo o que vejo e digo-lhe que ver é muito mais do que compreender. É sentir no interior das pálpebras, no fundo do coração, muito para além das tintas e da busca do autor.

22/3/13  
Blogger Justine said...

...e tranportaste-me, com o teu belíssimo texto, para os meus jogos de menina à volta das cores misteriosas que vinham do céu e desapareciam na terra...

22/3/13  
Blogger M. said...

As tuas palavras exprimindo de maneira muito bela o teu olhar sobre a pintura da Teresa.

24/3/13  
Anonymous Anónimo said...

Falta-lhe cor para ser um arco-íris. Como dizia o poeta ...faltou-lhe um golpe de asa


Teresa Silva

24/3/13  
Blogger bettips said...

A primeira parte, do fantástico que todos lembramos ao olhar o arco-íris.
Da segunda parte, o que recordamos, poemas de vida alegre, quando fechamos os olhos ... e voltamos "aos dias brilhantes da cor".

25/3/13  
Blogger Benó said...

Uma pintura descrita em forma de poesia.

26/3/13  

Enviar um comentário

<< Home