>

quinta-feira, novembro 14, 2013

10. Mena M.



Não feches a porta, disse-lhe, deixa que a natureza a invada para que guarde em si todos os segredos desse grande amor, também ele já só ruinas... 

 Mena

10 Comments:

Blogger Justine said...

Porque na natureza nada se perde, tudo se transforma...

14/11/13  
Blogger bettips said...

Poderia ser "E Tudo o Vento Levou" ou "O Monte dos Vendavais". É apenas um belo abrigo de palavras para as recordações, Mena!

15/11/13  
Blogger agrades said...

Justine, grande sábia, tiraste-me as palavras do teclado!
Assim, resta-me dizer que o visado foi obediente e a porta não está fechada.

15/11/13  
Blogger M. said...

A constatação da realidade a que chegou um grande amor que assim, deste modo, poderá permanecer vivo.
Uma ideia e uma fotografia muito bonitas.

15/11/13  
Blogger Luisa said...

Mas ficará alguma lembrança desse amor? Não seria melhor fechá-lo numa caixa e guardá-lo no fundo duma gaveta?

15/11/13  
Blogger jawaa said...


Tudo tem o seu tempo e é inexorável a passagem dele. O amor fica, enquanto houver memória.

16/11/13  
Blogger Benó said...

Uma casinha muito frágil pata guardar tão grande amor.Seria melhor seguir a opinião da Luisa.

16/11/13  
Blogger Licínia Quitério said...

Um amor que termina e uma casa em ruínas é uma bela associação de ideias.

18/11/13  
Anonymous Anónimo said...

Um grande amor fica sempre guardado no nosso coração.
M.J.Jara

19/11/13  
Blogger Rocha de Sousa said...


Boa fotografia. Deveremos então pensar que a porta deve ficar
aberta para a Natureza entrar na
casota e preencher a saudada de
um desaparecido fiel amigo?

25/11/13  

Enviar um comentário

<< Home