>

quinta-feira, novembro 07, 2013

11. Rocha/Desenhamento



                         Ga...

Garantiram-lhes que podiam ficar ali, sentados, à espera do que pudesse acontecer ou nada. Fiquem em paz, diziam os velhos, é preciso descansar. Os velhos gabam esta solução sob a mágoa de os verem ali, depois de correrem durante todo o dia, na terrível fúria de viver, agora sem restos, parados, à porta de um albergue desarrumado, cheio de coisas de súbito inúteis. Nesta época de pressas impensáveis e noites sem abrigo, há quem presuma, antes dos velhos, a mesma ideia básica mas sem esmola, voz saindo de um jaguar ao entrar na garagem que logo se fechou; ou do lado dos condomínios milionários, intocáveis na sua diferença ensurdecedora.

Rocha de Sousa

fotojornalismo internacional

7 Comments:

Blogger bettips said...

De tanta gente sem abrigo e tão poucas certezas: despejados há tantos e sem garantias. Só os velhos que (lhes)restam: ainda há dias dizia uma jovem na tv da ajuda da reforma da mãe... Ensurdecedor o silêncio, como sugeres.

7/11/13  
Blogger jawaa said...


Os novos «pobrezinhos».

7/11/13  
Blogger M. said...

Tanto quanto julgo ter percebido do texto, parece-me que a todos pode tocar o infortúnio, independentemente da idade e da situação.

8/11/13  
Blogger Justine said...

Mundo de inseguranças e solidões. Mas não teria sido sempre assim?

8/11/13  
Blogger Licínia Quitério said...

A roda da sorte e do azar que pode andar e desandar para qualquer um, em qualquer tempo.

8/11/13  
Blogger Luisa said...

Nunca se sabe quando a desgraça aparece.

9/11/13  
Blogger Benó said...

Um texto sério que nos leva a pensar na juventude de hoje tão desarrumada.

11/11/13  

Enviar um comentário

<< Home