>

quinta-feira, janeiro 31, 2013

AGENDA PARA FEVEREIRO DE 2013



 
Dia 21 - Com as palavras dentro do olhar sobre esta bela fotografia de Rocha/Desenhamento

AGENDA PARA FEVEREIRO DE 2013



Foto de M
 
«Experience is the name everyone gives to their mistakes.» 
 Oscar Wilde

Dia 7 - Ao jeito de cartilha: Proponho-vos que usemos a sílaba A” para formar as nossas palavras. Poderá ser colocada no início, no meio ou no fim da palavra que escolhermos. E não se esqueçam da fotografia.

Dia 14 - Reticências com a frase “O vazio” a iniciar o texto. Não esquecer a fotografia.

Dia 21 - Com as palavras dentro do olhar sobre fotografia de Rocha/Desenhamento

Dia 28 - Fotografando as palavras de outros sobre o excerto abaixo reproduzido, que considero muitíssimo interessante. Embora corra o risco de que este texto possa ser sentido por alguns como pesado ou perturbador, ele é, na minha opinião, uma reflexão sábia, e por isso mesmo também reconfortante, perante uma realidade que acompanha a existência humana.


«Conseguem imaginar a velhice? É claro que não. Eu não conseguia. Não era capaz. Não fazia a mínima ideia de como era. Não tinha sequer uma falsa ideia – não tinha imagem nenhuma. E ninguém quer outra coisa qualquer. Ninguém quer enfrentar nada disto antes de não ter outro remédio. Como vai ser? (...)
 (…) Compreensivelmente, é inimaginável qualquer fase da vida mais adiantada do que a nossa. Às vezes já vamos a meio da fase seguinte antes de nos darmos conta de que entrámos nela. (…) 
Há que fazer uma distinção entre morrer e a morte. Nem tudo é morrer ininterruptamente. Se somos saudáveis e nos sentimos bem, vamos morrendo invisivelmente. O fim, que é uma certeza, não tem de ser arrojadamente anunciado. Não, não podemos compreender. A única coisa que compreendemos acerca dos velhos quando não somos velhos é que foram marcados pelo seu tempo. Mas compreender apenas isso imobiliza-os no seu tempo, o que equivale a não compreender nada. Para aqueles que ainda não são velhos ser velho significa que já fomos. Mas ser velho também significa que, apesar de, e além de e para lá do nosso estado de ser, ainda somos. O nosso estado de ser está muito vivo. Ainda somos e sentimo-nos tão atormentados pelo ainda-ser e pela sua plenitude como pelo já-ter-sido e pela sua qualidade de passado. Pensem na velhice do seguinte modo: o facto de a nossa vida estar em risco é apenas um facto quotidiano. Não podemos esquivar-nos ao conhecimento daquilo que em breve nos espera. O silêncio que nos envolverá para sempre. Tirando isso, é tudo a mesma coisa. Tirando isso, somos imortais enquanto vivermos.» 
O Animal Moribundo, Philip Roth, Publicações Dom Quixote, Novembro 2008

O DESAFIO DE HOJE: «FOTOGRAFANDO AS PALAVRAS DE OUTROS»

Foi sobre este excerto que fotografámos as paisagens das nossas existências. Eu gostei muito. E os meus companheiros de viagem?
 
(…) Viajar não será o verbo apropriado para descrever este frenesim de nos deslocarmos entre dois pontos no menor intervalo de tempo possível, ignorando tudo quanto se encontre no caminho: planar é termo mais justo. Há um país uniforme de auto-estradas, feito de largas pistas de asfalto, estações de serviço, portagens, nós de acesso, que se sobrepõe, obliterando-o, a um país diferenciado de terras, paisagens e gentes. Por isso é educativo, seja por necessidade ou por opção, abandonar o suave tapete da auto-estrada para rodar durante uns quilómetros por uma EN. (...)


A Árvore de Natal do Senhor Ministro – Crónicas Arborescentes, Paulo Ventura Araújo (texto e fotos), Edições Afrontamento, maio de 2009

http://dias-com-arvores.blogspot.pt/

13. Zambujal

12. Teresa Silva

11. Rocha/Desenhamento

10. ~pi

9. Mena M.

8. M.

7. Luisa

6. Licínia

5. Justine

4. Jawaa

3. Bettips

2. Benó

1. Agrades

segunda-feira, janeiro 28, 2013

«O RISO», ASSIM DIZ A LICÍNIA


Foto de Licínia 

"Um menino rabisca deitado no Chão, no Museu, no Riso. A sombra de M. poisa numa carícia ao Menino, no chão, no Museu, no Riso."

Licínia

O DOMINGO DE ONTEM


Na sequência de uma visita que fiz ontem à exposição O Riso, no Museu da Electricidade, acompanhada por duas meninas da minha idade, mais ano menos ano, lembrei-me deste post do meu antigo blog Fotoescrita, com data de Janeiro de 2006.
Associações de ideias. Também porque encontrei lá várias crianças.


Simetrias
(Foto de S.

Os Meninos, o Colégio e o Museu

São tão graciosas as crianças (uma espécie de pureza intocável), quando passam em fila nas ruas, as mãos pequeninas agarrando o bibe do menino da frente. Para que se não percam no trilho marcado, ou fujam dele, que por vezes os adultos não compreendem a necessidade que elas têm de deslizar para o desconhecido.
Pois é, lembrei-me delas quando olhei para o belo edifício em tijolo desta fotografia em que as janelas lado a lado parecem dar-se as mãos. Nele encontrei igualmente semelhanças com um colégio tradicional, género internato inglês (Yes, sir, I’m coming), com a rigidez e os conhecimentos da época desenhados na arquitectura das janelas alinhadas. Fantasia minha, claro, porque sei que este edifício abrigou uma velha central térmica do início do século vinte que, em anos que já lá vão, produzia energia eléctrica para a cidade de Lisboa. Contudo, depois de encerrada devido às novas tecnologias com que o futuro presenteia habitualmente o presente, assim deixando rapidamente de o ser, e transformada em Museu da Electricidade, talvez as minhas associações de ideias não sejam tão descabidas quanto isso. Meninos, colégio, museu. Não os frequentam as crianças, à descoberta do desconhecido e do melhor entendimento das coisas do mundo? Ainda que em fila e segurando o bibe do menino da frente, porque o prazer de explorar também requer a companhia dos seus iguais.
M

quinta-feira, janeiro 24, 2013

AGENDA PARA JANEIRO DE 2013

Dia 31 - Fotografando as palavras de outros sobre este excerto de um livro muito interessante.

(…) Viajar não será o verbo apropriado para descrever este frenesim de nos deslocarmos entre dois pontos no menor intervalo de tempo possível, ignorando tudo quanto se encontre no caminho: planar é termo mais justo. Há um país uniforme de auto-estradas, feito de largas pistas de asfalto, estações de serviço, portagens, nós de acesso, que se sobrepõe, obliterando-o, a um país diferenciado de terras, paisagens e gentes. Por isso é educativo, seja por necessidade ou por opção, abandonar o suave tapete da auto-estrada para rodar durante uns quilómetros por uma EN. (...)

A Árvore de Natal do Senhor Ministro – Crónicas Arborescentes, Paulo Ventura Araújo (texto e fotos), Edições Afrontamento, maio de 2009



O DESAFIO DESTA SEMANA: «COM AS PALAVRAS DENTRO DO OLHAR»



Foi com esta belíssima fotografia que a ~pi provocou o nosso olhar e as nossas palavras.
Em baixo, os treze textos devidamente identificados com os nomes dos seus autores.

13. Zé-Viajante

Na pista vazia ainda a memória da última nave ali estacionada. Vinda do Planeta Justiça ali ficou uns tempos até que os seus tripulantes terminassem a sua missão.Que parece não ter resultado. Os habitantes de Terra, não conseguiram (ou não quiseram...) assimilar os ensinamentos de estranhos. Espera-se nova visita o mais breve possível. No placard da estação (invisivel agora) anunciam-se chegadas de outras naves. Vindas dos Planetas Amor e Fraternidade. Espera-se, desta vez, um êxito rotundo nas sua missões.

Zé-Viajante

12. Zambujal

Quais as palavras que saltam de dentro do olhar quando ele se cruza com esta foto e se retém a fixá-la? 
É curioso que começo por me julgar na semana anterior, no fotodicionário risco. 
Os riscos estão marcados no chão e outros riscos, ou riscos com outro significado, ameaçam dos ares, com as núvens negras e parecendo carregadas de borrasca. 
O olhar, ao olhar, reflecte o que nos assusta, o que os ouvidos ouvem, este tamborilar de chuva e granizo nas claraboias, o trovejar intermitente e violento, restos – se apenas restos forem… – de um sábado de temporal aqui pelo Zambujal, de vendaval por todo o Portugal. Rimas fáceis ausentes de ritmo poético? Decerto, mas a meteorologia (e a foto) não dá para deixar escolher as palavras, que são de incómodo, preocupação, susto.

Zambujal

11. Teresa Silva

Que bonita fotografia. Chega-se ao local, é só estacionar o carro e ficar a contemplar o cair da noite e o acender das luzes, ao longe. 

Teresa Silva

10. Rocha/Desenhamento

Sei que esta fotografia não corresponde a um registo analógico ou digital realizado algures, num longínquo planeta talvez semelhante à Terra, poentes lilases e nuvens espessas, eventualmente habitado por uma gente não muito indistinta da gente que somos, seres dotados de inteligência, capacidade de transformar o território e os eco sistemas do seu espaço natural, adaptando tais mudanças aos intuitos principais da vida, dessa outra vida não inteiramente estranha, firmando a arrumação racional dos meios com os quais poderá transitar, pela terra e pelo ar, de horizonte para horizonte, demarcando geometricamente lugares de utilidade, lugares por vezes povoados de máquinas indizíveis, outras vezes, noutras horas, como que abandonados, desertos, escurecidos até ao limite das distâncias, ostentando ainda, para depois, as marcas lineares do uso lógico de certos espaços, como aqueles que se distendem, aqui, na periferia dos aeroportos. Sei que esta fotografia não foi operada nesse outro mundo. 
Isso sei. 
Mas parece. Isso também sei: que parece vinda de muito longe, pelo olhar e pela mão de outra gente. 
Claro que não vou adivinhar nada, nem de lá nem de cá. 
Rocha de Sousa

9.~pi

Roses, dia sete de novembro de dois mil e doze.

Diário: 

"Come a última bolacha do pacote, pressente uma febre oval a subir no hemisfério direito, logo acima do olho - reconhece a cor violeta da noite, por duas vezes essa noite é noite.
Abotoa-se ao mar para olhar de frente o metálico vendaval emboscado na colina do parque, aquele que no inverno se prende à rosa pela cintura, arrancando-lhe o carnaval do nome."

 ~pi


8. Mena M.

Uma restea de luz, um olhar de espanto, toda a magia do crepúsculo!

Mena

7. M.

Quando o céu se adensa negro, marco bem o meu lugar no chão para que o meu corpo, reconhecendo-o, não perca o equilíbrio e o olhar se mantenha firme no horizonte. 

M

6. Luisa

Perderam-se no horizonte os que para lá foram levados. Não vale a pena esperar a sua volta. 

Luisa

5. Licínia

QUE FAREI QUANDO TUDO ARDE – o título do livro de António Lobo Antunes (que não li). Foi o que me ocorreu de imediato ao olhar a foto da ~Pi. Porquê? Sei lá eu das associações que se fazem dentro da nossa cabeça, num sítio qualquer da rede de neurónios que a percorrem. Podia ter dito da aproximação de um OVNI, ou de um campo relvado que amanhece, ou de um sonho atribulado próximo do despertar. Mas não. Continuo a pensar QUE FAREI QUANDO TUDO ARDE e a curiosidade pelo livro ganha força.
Licínia

4. Justine

Como decidir entre a terra dividida em parcelas exíguas, o mar enganoso em serenidades aparentes e o céu ameaçador, belo e inatingível? Fico-me pela ilusão de, pelo menos com o olhar, poder abarcar os três elementos. 

Justine

3. Jawaa

Uma imagem que pode simbolizar o presente: em primeiro plano, linhas rectas, truncadas, sobre a cor da esperança embora. 
Ao fundo o mar, depois das nuvens, o céu aberto, a luz de uma madrugada qualquer.

Jawaa

2. Bettips

Sugestão de uma pista, 
um largar de avião ou asa, 
para ocidente.
A miragem da viagem. 
Apenas vemos lugares vazios: o espírito mobila-os com as suas peças avulso do pensamento, desfasadas da realidade do olhar. 
Este lugar do sonho é-nos "reservado". Grátis. Primordial. 

Bettips

1. Agrades

Incognita

Pode ser uma chegada, cheia de esperança e contentamento...
Pode ser uma partida, carregada de desencanto e desespero.

Agrades

quinta-feira, janeiro 17, 2013

AGENDA PARA JANEIRO DE 2013




Dia 24 - Com as palavras dentro do olhar sobre a bela fotografia da ~pi.

15. «Risco» por Zé-Viajante

14. «Risco» por Zambujal

13. «Risco» por Teresa Silva

12. «Risco» por Rocha/Desenhamento

11. «Risco» por ~pi

10. «Risco» por Mena M.

9. «Risco» por Mac

8. «Risco» por M.

7. «Risco» por Luisa

6. «Risco» por Licínia

5. «Risco» por Justine

4. «Risco» por Jawaa

3. «Risco» por Bettips

2. «Risco» por Benó

1. «Risco» por Agrades

quinta-feira, janeiro 10, 2013

AGENDA PARA JANEIRO DE 2013

Dia 17 - Fotodicionário com a palavra “ Risco escolhida pelo Zé-Viajante

«RETICÊNCIAS», O DESAFIO DE HOJE

Vocês são espantosos!
Quando, há semanas atrás (ainda em 2012, vejam lá! Ele estava ali há pouco...), preparava o desafio Reticências e me surgiu na cabeça, sem eu saber porquê, a frase "Os muros" para iniciar o texto, não tinha a mínima ideia que fotografia usaria nem sequer o que escreveria. Gostei daquela frase, achei-a bonita, apenas isso. E então sou presenteada com esta diversidade espantosa de olhares a partir de duas palavras tão simples como estas, e assim unidas pelo mero acaso de um pensamento. 
Vocês são espantosamente criativos!

M 

14. Zé-Viajante



Os muros que nos dividem. Os muros que nos protegem. Os muros que tentamos, a muito custo, ultrapassar. Os muros que servem de palete, para pinturas coerentes ou nem tanto. Os muros onde anunciamos o nosso Amor. Ou desgosto, descontentamento e também ira. Os muros onde se anunciam os eventos, os lugares. Os muros que nos rodeiam, podem ser bonitos. Ou não!
 
Zé-Viajante

13. Zambujal



Os muros são obra dos seres humanos. É preciso lembrá-lo, porque os seres humanos têm propensão para esquecer, e a História é escrita por/para aparentes vencedores que precisam, hoje, que assim – de uma certa maneira – tenha sido ontem.
E muitos são os muros! Embora à memória logo nos venha um que foi, e não se pergunta porquê mas se festeja ter deixado de ser. Porque assim se escreve a História. Que parece esquecer muros que ficaram. E são… muros que nos envergonham, como seres humanos que, pedra sobre pedra, os construímos e com eles convivemos. Lembro só três que não cairam mas que estão: o muro entre os Estados Unidos e o México, o muro da Cisjordânia, construído por Israel em torno e por dentro dos Territórios Palestinos Ocupados, o muro em Nicósia, que separa Nicósia de Nicósia, cipriotas de cipriotas, um verdadeiro arrepio para turistas de máquina fotográfica em punho para registo de viagens.
Haverá outros… Como os que protegem as videiras dos ventos e das lavas vulcânicas, e mais os que demarcam e escondem quintais e outros locais.
Miguel Torga disse que o universal é o local menos os muros e, já agora…, mais um muro outro, do imaginário, o que, nas suas aventuras tão maravilhosamente contadas por José Gomes Ferreira, o João Sem Medo saltou para sair de Chora-Que-Logo-Bebes e chegar à Floresta Branca, essa espécie de Parque de Reserva de Entes Fantásticos.

Abaixo os muros. Não todos, mas quase todos.

Zambujal

12. Teresa Silva



Os muros limitam os espaços desde tempos remotos. Outros limitam a liberdade. Há ainda uma espécie de muros que impedem o convívio entre pessoas. Enfim, há muros e muros... há os que se derrubam e os que se preservam, quanto mais não seja, pela beleza das pedras.

Teresa Silva

11. Rocha/Desenhamento



Os muros da casa em ruínas destacavam-se no alto de um pequeno cerro e faziam parte de uma sucinta e abandonada aldeia, longamente destruída pelo tempo e pelos vândalos de passagem. Era um espectáculo triste e trágico, uma habitação campestre cujos muros ainda se aguentavam erguidos, em parte e a prumo, embora de limites mordidos e de superfícies raspadas pela chuva e pelo vento. Os muros sustentavam ainda um bocado de telhado, abertos à frente, até um alpendre de telha e suporte de colunas rústicas, fortes sombras sob essa persistência, bocados de luz atravessando a soma de vigas tombadas e apoios feitos de troncos, o que sugeria uma sobrevivência arrastada dos camponeses atrás dos muros propriamente ditos, da casa em si, à luz das candeias durante a noite, cá fora durante o dia, sustentando o que ainda podia ter sustentação. Um dia, entre rupturas nas paredes internas e nos muros exteriores, toda a família teve de abandonar essa casa que hoje não passa emblematicamente de uma paisagem de muros ainda erguidos entre o resto da sucessiva derrocada.

Uma imagem da vida.

Uma imagem da morte.



Rocha de Sousa

10. ~pi



os muros são buracos de ecos esfarolados:
o mar que ali desagua, emaranhado murmura

marulhando vozes de gravar na concha.


~pi

9. Mena M.



Os muros separam, bem sei.
Roubam a libertade a muitos, dão a tantos outros a ilusão de segurança.
Também se derrubam, como tive o privilégio de testemunhar em novembro de 1989 em Berlim.
Ou podem ser simplesmente belos e mágicos como este.
Sobe o pano, desce o pano, imagino...

Mena

8. M.


 
Os muros. Esboroam-se alguns na terra dos dias, tristemente sustendo a vida que neles se agarra.

M

7. Luisa



Os muros que ergueram para nos separar serão em breve ruinas. Esperemos então.

Luisa

6. Licínia



Os muros estão ali para contarem que houve um tempo antes da casa. E antes dele nasceram as pedras. A memória antiga das pedras fala de conchas, de peixes, de sal. Ao princípio era o mar, depois a terra e os seus bichos. E houve guerras quando chegaram os homens que fizeram os muros. E fizeram a casa. E plantaram a árvore. E colhem os frutos. E vivem e dormem, por detrás da cal, na casa de segredos, na concha de terra que veio depois do mar, depois do nada que foi antes do mar, antes, muito antes. 

Licínia

5. Justine



Os muros tanto podem ser obstáculos intransponíveis, dissuasores e opacos, como desafios irrecusáveis, estimulantes e frutuosos. Os muros não têm realidade própria: dependem sempre do meu estado de espírito!

Justine

4. Jawaa



Os muros não existem.
Assim de cimento ou rede, muralhas de pedra ou adobe, não possuem o significado que os homens lhes atribuem, não impedem os caminhos com a severidade que ostentam: deles brotam ou sobre eles se derramam flores que lhes adoçam o parecer; o tempo os corrói, os veste de heras, de silvas e musgo. 
Os outros, sim. Os muros por dentro são invioláveis, severos, chegam a ser perversos. 

Jawaa

3. Bettips



Os muros... onde moram as razões? 
Dos muros que adivinhamos, vemos, erguemos, saltamos. 
Os muros que tocámos com as mãos nuas, os que nos sangraram, os que nos abrigaram, os que nos deram gosto de existir. Barreiras que ainda temos. 
Serão tantas as razões dos muros como as várias razões de várias pessoas. 

Bettips

2. Benó


 
“Os muros feitos com as peças da Lego embelezavam a vivenda e um parque ajardinado que a Joana tinha construído durante toda a manhã. Estava muito vaidosa da sua obra e ansiosa pelo fim do dia para mostrar ao pai o seu trabalho. Fora feito com muito cuidado e todas as peças se encaixavam perfeitamente. Não se esquecera do Bobi, e pusera o Manelinho a preparar um grelhado no “barbecue”, junto duma árvore. Tudo muito arrumadinho como era hábito da Joana. 
Chegou a hora do lanche e o Pedro regressou da escola numa correria desenfreada e com uma pressa enorme de mostrar à mana aquele cromo difícil de arranjar e que acabara de ganhar num jogo de berlindes. A alegria de poder terminar a colecção dos jogadores de futebol via-se-lhe no rosto rosado por tanta excitação 
-Mana!!Mana!!! Grita, abrindo a porta do quarto e segurando na mão o troféu precioso. Não repara nas peças Lego e distraidamente atira a mochila para o chão, no sítio exato onde se encontra todo o trabalho da construção que se desmoronou e que era o orgulho da sua irmã.” 
Não sei como acabar a história, pois antevejo dois finais. 

Primeiro: A Joana chora, grita, chama parvo ao mano que muito triste lhe pede desculpa e os dois juntos acabam por repor as peças no lugar a tempo do pai chegar e ver tudo construído.

Segundo: A Joana chora, grita, chama parvo ao mano e num ataque de fúria feminina pega no avião feito também com peças Lego pelo seu irmão e atira-o ao chão desfazendo tudo.

A partir daqui é obrigatória a intervenção maternal para que não se forme um muro de desentendimento entre os manos.

Benó

1. Agrades



Os muros tapavam-me os olhos de menina e não me deixavam ver o mar. 

Agrades

quinta-feira, janeiro 03, 2013

AGENDA PARA JANEIRO DE 2013

Dia 10 - Reticências com a frase “Os muros” a iniciar o texto.

O DESAFIO DE HOJE

A sílaba proposta para o desafio Ao jeito de cartilha era "tri".

14. Zé-Viajante



                         Tribunal

13. Zambujal



                       Contributo