>

quinta-feira, janeiro 16, 2014

4. Jawaa

As torres altaneiras e majestosas pousando o olhar sobre todos os espaços, quem sabe à espera de mais ouro, já não do Brasil, que o não soubemos guardar, perdidas as especiarias das Índias, as sedas do Oriente. Já não da Europa que nos afundou no constrangimento em que soçobramos, para não falar em desonra. Talvez a esperança deva nascer das pepitas que vão brilhando dentro de cada um de nós.
Jawaa

4 Comments:

Blogger M. said...

Não são torres nacionais (soubemo-lo depois de o texto da Licínia nos ter chegado) mas a esperança "das pepitas que vão brilhando dentro de nós" julgo que se aplicará também aos nossos irmãos espanhóis.

18/1/14  
Blogger Justine said...

É a nossa única saída, minha amiga:-))))
(e confundiste os monumentos, exactamente como eu!)

18/1/14  
Blogger Licínia Quitério said...

Ambos os monumentos se alimentaram de ouros e de suores. De engenho e arte também, indubitavelmente. Assim a obra dos homens.

20/1/14  
Blogger bettips said...

Só muda o lugar das riquezas... Infelizmente, esta Europa é, parece-me, como Cronos.

Eu gostei muito desta descrição, Jawaa.

20/1/14  

Enviar um comentário

<< Home