>

quarta-feira, maio 07, 2014

12. Zambujal




Será* talvez a ventania:
mas há pouco, há poucochinho,
nem uma agulha bulia
na quieta melancolia
dos pinheiros do caminho

Quem bate, assim, levemente,
com tão estranha leveza,
que mal se ouve, mal se sente?
Não é chuva, nem é gente,
nem é vento com certeza.
(…)
Mas as crianças, Senhor senhores*,
porque lhes dais tanta dor?!...
Porque padecem assim?!...
(quando têm tanta alegria para dar!)*

E uma infinita tristeza,
uma funda turbação
entra em mim, fica em mim presa.
(…)

*-agradecendo a Augusto Gil… e sem o seu consentimento!
Zambujal

8 Comments:

Blogger Rocha de Sousa said...



Sem dúvida, não esquecer nunca.

8/5/14  
Blogger agrades said...

Serão, certamente, os capitães da areia, numa merecida pausa...

8/5/14  
Blogger Benó said...

Uma boa adaptação do poema à foto e temos a certeza que o Augusto Gil não se importa com as alterações. As crianças, essas, ficaram felizes por ser fotografadas como o demonstram nos seus rostinhos de olhares curiosos.

8/5/14  
Blogger Luisa said...

Bela adaptação o poema.

8/5/14  
Blogger Luisa said...

Queria dizer "do poema"

8/5/14  
Blogger jawaa said...

Olhares que não se esquecem!

8/5/14  
Blogger Licínia Quitério said...

E no mundo de hoje, tantos meninos desamparados. Actualíssimo o poema.

9/5/14  
Blogger Justine said...

Venham mais "cucos" destes!

11/5/14  

Enviar um comentário

<< Home