>

domingo, junho 14, 2015

6. M.



Tivesse eu visto o seu rosto, quem sabe seria capaz de entender o que lhe ia na alma.
Eu estava por ali e reparei nela à distância. Impressionaram-me o desalinho da sua figura e a total imobilidade em que se manteve durante a hora e meia em que permaneci no jardim. Interroguei-me, e interrogo-me ainda, sobre quais seriam os seus pensamentos. Contemplaria calada, ou até de olhos fechados, o rio da saudade de longínqua terra muito sua? Que pobreza a afligiria? Não sei, não lhe vi o rosto. Talvez estivesse feliz. Talvez lhe bastasse poder sentar-se à beira de um rio azul. Talvez fosse essa a sua única riqueza. Eu vim embora sem nada conhecer da mulher. Ela ficou. 
M

3 Comments:

Blogger Justine said...

Vamos pensar que ela estava feliz, M.! Ela merece isso, a tua fotografia também!

15/6/15  
Blogger Luisa said...

Quantas vezes já me arrependi de não olhar para uma cara que encontro casualmente.

15/6/15  
Blogger bettips said...

"Sôdade"
...
vamos embora de tantas coisas sem lhe vermos sequer a forma, o olhar, o sentido.

17/6/15  

Enviar um comentário

<< Home