>

quinta-feira, novembro 12, 2015

11. Zambujal


Aquela casa…

é o princípio de tudo. Como o verbo. Sendo “tudo” o que cada um quiser que seja. Como o verbo.
Aquela casa… Na pequena rampa a subir para a aldeia, depois de curva e contra-curva à saída da estrada nacional. Era um quarto, uma sala de entrada, uma arrecadação, a cozinha com lareira a dominar todo o espaço. Para trás da fotografia (dos anos 40), o alpendre, os currais, o pátio, onde uma cabrinha dava o nome à avó. Era a “avó da cabrinha”. Depois, logo a vinha e o poço com picota e balde como ramos da oliveira que sempre lá esteve e que ali continua, e o tanque de rega.
Assim a conheci. Apenas isto. E tanto era.
Aquela casa… onde, no único quarto, nasceu meu pai. A 21 de Janeiro de 1898.

Esta casa. A mesma…






Que cresceu. Para os lados, por dentro, para o quintal. O nosso canto. Como dizia o azulejo que já (se) partiu: Seja bem-vindo quem vier por bem!

Zambujal

6 Comments:

Blogger M. said...

Zambujal:
Lamento não ter conseguido publicar tal e qual como mandaste. Fiz várias tentativas. Sorry.

12/11/15  
Blogger Luisa said...

Uma evolução que respeitou toda a memória doutros tempos.

12/11/15  
Anonymous Zambujal said...

Oh!, Manuela,
ficou tão bem!
De novo me comoveu... A
ando muito sensível.
Muito grato por tanto trabalho a que te obrigo/as.

13/11/15  
Blogger Justine said...

Neste texto...sinto-me em casa!

14/11/15  
Blogger bettips said...

A casa e o tempo histórico dela sentem-se, assim, numa cadência terna.
Felizmente, "a casa" também cresceu para fora, para nós e muitos. Obg

15/11/15  
Anonymous Anónimo said...

Seria tão bom se todos conservassem as casas antigas, com os melhoramentos possíveis na actualidade. A paisagem dO país seria bem diferente.

Foi também guardada a foto dos anos 40.

Uma maravilha.

Teresa Silva

16/11/15  

Enviar um comentário

<< Home