>

quinta-feira, janeiro 29, 2015

AGENDA PARA FEVEREIRO DE 2015



Dia 19 - Com as palavras dentro do olhar sobre fotografia da Licínia.

AGENDA PARA FEVEREIRO DE 2015

Proposta da Licínia
Dia 5 - Ao jeito de cartilha: Proponho-vos que usemos a sílaba “Ga” para formar as nossas palavras. O texto que alguns de nós acrescentarmos é facultativo.
Dia 12 - Reticências com a frase “Nunca te esqueças” a iniciar o texto. Não esquecer a fotografia.
Dia 19 - Com as palavras dentro do olhar sobre fotografia da Licínia.
Dia 26 - Fotografando as palavras de outros sobre o excerto
(…)
Mas ele já estava a descer a escadaria em direcção à praça. Ao longe ouvia-se o tambor e, por revoadas, o rumorejo ondissonante da multidão. As janelas do Clube dos Valetes de Paus estavam inabitualmente encerradas. Nem os vadios que costumavam coçar-se junto ao pedestal lá se encontravam nesse dia. Nem o homem do realejo, nem os zíngaros com as suas rabecas mágicas. Um cachorro atravessou a praça silenciosa, numa diagonal alegre, e nada mais houve a contrastar o abandono daquele espaço.
Talvez fosse melhor esperar que tudo se consumasse, pensou Zoltan e encostou-se ao pedestal.
O VARANDIM SEGUIDO DE OCASO EM CARVANGEL, de Mário de Carvalho, Porto Editora, pág. 79

O DESAFIO DE HOJE

Dia 29 - Fotografando as palavras de outros sobre o poema

As janelas
Por onde entram as silvas,
A púrpura pisada,
O aroma das tílias, a luz
Em declínio,
Fazem deste abandono
Uma beleza devastadora
E sem contornos

(“As Janelas”, Eugénio de Andrade, in Rente ao Dizer, FEA)

12. Zambujal

11. Teresa Silva

10. Rocha/Desenhamento



«... E a janela que o poeta aponta pode estar à nossa frente, mas ninguém estará seguro de que a janela («de uma beleza devastadora») não seja a nossa, aquela donde espreitamos a outra, uma entre várias.» 
Rocha de Sousa

9. Mena M.



«Fazem deste abandono 
Uma beleza devastadora...» 

8. Mac

7. M.

6. Luisa

5. Licínia

4. Justine

3. Jawaa



«O aroma das tílias, a luz...» 

2. Bettips

1. Agrades

quinta-feira, janeiro 22, 2015

AGENDA PARA JANEIRO DE 2015

Dia 29 - Fotografando as palavras de outros sobre o excerto

As janelas
Por onde entram as silvas,
A púrpura pisada,
O aroma das tílias, a luz
Em declínio,
Fazem deste abandono
Uma beleza devastadora
E sem contornos

(“As Janelas”, Eugénio de Andrade, in Rente ao Dizer, FEA)

O DESAFIO DE HOJE

Dia 22 – Jornal de Parede

Hoje os meus comentários são deixados aqui para todos ao mesmo tempo e deste modo:
Peguei nos meus binóculos Zeiss, aproximei-os dos olhos, ajustei-os de maneira a focar cada pedacinho do imaginário (ou imaginado?), Jornal de Parede que é este ecrã de computador e observei em separado cada uma das vossas partilhas de coisas e gostos. Os textos, as fotografias, as fotografias com texto, as fotografias sem texto, os dois mini Jornais de Parede dentro do outro, o tal do ecrã (limitado no espaço, com tabulações predefinidas, coitado, mas é este o modelo que tenho), espreitei, apreciei, gostei. Desculpem lá o uso de binóculos, mas... achei graça à ideia de entrar assim na intimidade de cada janelinha aberta, ignorando (só aparentemente, claro) o todo. :-))
M

11. Zambujal

10. Teresa Silva



Fotografia tirada no Museu de Runa, numa das salas da Princesa (Maria Francisca Benedita, filha mais nova de D. José I). O Palácio foi mandado construir pela dita Princesa para acolher militares feridos, tendo reservado uma das alas para sua residência. Nunca lá tinha entrado e achei interessante as diversas salas onde se pode ver porcelanas, pratas, quadros, mobiliário, etc. 
Teresa Silva

9. Rocha/Desenhamento

8. Mena M.



Plantamos árvores, construímos casas, derrubamos muros, 
damos vida à vida, asas à liberdade, voz ao sentimento, 
deciframos enigmas, vamos de partida, navegamos outros mares. 
E, como se nunca tivéssemos aprendido coisa alguma, 
enchemo-nos novamente de ódio, tornamo-nos bestas!  
Até quando?

Mena

7. Mac

6. M.

5. Luisa

4. Licínia



Sombra será o barco que se fez água. 

Licínia

3. Justine



Posso não conseguir ler o que está escrito na parede exterior da Biblioteca de Alexandria, mas consigo entender com clareza a mensagem que essa parede transmite! 
(Foto do exterior da Biblioteca de Alexandria) 
Justine

2. Bettips



Foto do túmulo dos meninos, no Museu Capitolino. A inscrição que ficou dos tantos tempos passados "Os pais de Porcia e Posillae fizeram este mausoléu para os filhos que o merecem" - também atrás do túmulo as pedras escritas como folhas de livro! 
Bettips

1. Agrades

quinta-feira, janeiro 15, 2015

AGENDA PARA JANEIRO DE 2015

Dia 22 – Jornal de Parede

E A PROPÓSITO DE GATOS, A LICÍNIA LEMBROU-SE E ENVIOU

Xadrez 
É branca a gata gatinha
É branca como farinha.
É preto o gato gatão
É preto como o carvão.
E os filhos, gatos gatinhos,
São todos aos quadradinhos.
Os quadradinhos branquinhos
Fazem lembrar mãe gatinha
Que é branca como a farinha.
Os quadradinhos pretinhos
Fazem lembrar pai gatão
Que é preto como carvão
Se é branca a gata gatinha
E é preto o gato gatão,
Como é que são os gatinhos?
Os gatinhos eles são,
São todos aos quadradinhos.

Sidónio Muralha

O DESAFIO DE HOJE



Dia 15 - Com as palavras dentro do olhar sobre fotografia da Justine.

9. Zambujal

FOI ASSIM NO COMEÇO DO SÉCULO…
- Olha … é aquele, tem de ser aquele. Aquele com o rabito curto com a patita por cima da mana. Tem de ser aquele. É especial. Foi amor à primeira vista. Pode ser, amiga, não pode?
- O quê?... ah, sim… pois claro.
- E já lhe arranjei nome. Vai ser Mountolive … Mounty para os amigos … tu, oh faz-de-dono, estás de acordo, não estás?
- Ahn?!, como? … é giro, muito giro mesmo. Com certeza. 
  E, desde então, é o dono do 
Zambujal

8. Rocha/Desenhamento

Sempre tive a impressão de que os gatos tinham uma segunda dimensão algo crispada, de sociabilidade discutível. Entre eles, aqui, num conforto contextualizado por valores cromáticos idênticos, esta «família» de gatos parece dada ao afecto, numa espécie de descanso sem perplexidades. 
Rocha de sousa

7. Mena M.

Os três gatinhos
perderam os chapelinhos
puseram-se a chorar... 
Esta música que encanta crianças há várias gerações foi a minha associação imediata à foto da Justine.
Tão ternurentos os teus gatinhos, aconchegados uns nos outros! 
Mena

6. M.

Os laços afectivos serão uma espécie de patchwork com que agasalhamos a existência. 
M

Alargando o significado da palavra para além dos lavores, porque assim me parece ser aplicável à Vida no seu todo.

«Patchwork or "pieced work" is a form of needlework that involves sewing together pieces of fabric into a larger design. The larger design is usually based on repeat patterns built up with different fabric shapes (which can be different colors.»
Wikipedia

5. Luisa

Simbólica esta imagem de cores e raças misturadas em perfeita harmonia. 
Luisa

4. Licínia

Todos diferentes e todos gatos. Não é um saco de gatos, mas uma manta com gatos. São os bichos mais divertidos que conheço. Quando jovens, põem a casa em desatino, fazem mil diabruras, mas os donos, conquistados pelo seu imenso poder de sedução, permitem-lhes sempre a decisão final sobre o lugar da caneta, do saco de plástico, da pulseira. Na sua proverbial independência, são companheiros inseparáveis. Muitos poetas os imortalizam em versos. Eu sempre com eles convivi, mesmo antes de saber que era poeta. Talvez eles já soubessem. 

Licínia

3. Justine

Eu era muito jovem – apenas dois meses de idade. Ela, já uma mulher madura. Encontrámo-nos por acaso no monte de uma amiga, e quando vi os seus cabelos pensei logo: esta vai ser a DonaMinha. Ela confessou-me mais tarde ter pensado nesse mesmo momento, ao ver a minha cauda curtinha: este vai ser o meu gato! Foi amor à primeira vista, e amor eterno, visto já durar há 14 anos! 
Justine

2. Bettips

Confesso que adoro gatos. E talvez pela fotografia ser de uma pessoa de gosto comum e me parecer “antiga”, há algo de (quase) defini(tivo)do nela. O Mounty, antes de ser adoptado e viajar dum distrito para outro, e viver a sua bela vida em eufórica liberdade, subindo às macieiras, perseguindo os melros e de pleno direito habitante do Refúgio! Bem-nascido se diria. 
Bettips

1. Agrades

Ao primeiro olhar, concluo: tudo ao molhe e fé em Deus...;
Ao segundo olhar, mais atenta, vejo dois tipos de patchwork, um de tecidos e outro felino;
Ao terceiro olhar vejo uma lição de amor, amizade, simpatia, tolerância entre seres diferentes;
Ao quarto olhar, pergunto : quem és tu, Zé Gato? 
Agrades

quinta-feira, janeiro 08, 2015

AGENDA PARA JANEIRO DE 2015



Dia 15 - Com as palavras dentro do olhar sobre fotografia da Justine.

O DESAFIO DE HOJE

Dia 8 - Reticências com a frase “Antes de o dia ir embora” a iniciar o texto. Não esquecer a fotografia.

9. Zambujal



Antes de o dia ir embora… quando a lua já substituiu o sol que foi aquecer outras gentes do lado de lá de nós, há que aproveitar, deste menos um dia, tudo o que ele nos possa dar ainda: passear, olhar o mar enluarado, conversar, ler, pensar no que virá a ser mais um dia. Amanhã. 
Zambujal

8. Teresa Silva



Antes de o dia ir embora, espero o comboio. Mas certamente, só lá chegarei já de noite. 
Teresa Silva

7. M.



Antes de o dia ir embora vestiu uma túnica rosada e eu acenei-lhe do alto da varanda do Museu Machado de Castro, radiante com a perspectiva de ser acordada na manhã seguinte por um sol generoso, disposto a fazer-me companhia no passeio a pé pelas ruas de Coimbra. Entendi o sinal que me era oferecido, ao jeito de serenata o quis pensar. Eu iria sentir a cidade de maneira diferente da véspera, com outros trajes me receberia e revelaria recantos desconhecidos, outros sons me chegariam aos ouvidos, seria outro o movimento. 
M

6. Luisa



Antes de o dia ir embora convém ir ao céu esticar as nuvens para que ele possa dormir confortavelmente e acordar bem disposto. 
Luisa

5. Licínia



Antes de o dia ir embora, abro a janela e, do poente, lá em baixo, onde começa o mar, recebo a paleta de cores que me emociona, que um momento assim pode ser a recompensa de se ter vivido, resistido, mais um dia. 
Licínia

4. Justine



Antes de o dia ir embora os deuses do mar e da terra quiseram contemplar uma vez mais as suas ilhas encantadas. Pediram então de mansinho ao sol para se demorar um pouco sobre elas. O sol concordou, e por um momento deixou de haver tempo… 
Justine

3. Jawaa



Antes de o dia ir embora... há que prender o estampado da janela, o azul rosáceo que aconchega os áceres despidos, enquanto a primavera não chega para os cobrir de verde novo. 
Jawaa

2. Bettips



Antes de o dia ir embora... esse sol fascinante no cimo das árvores altas. O sol... é um fingidor, frio-quente, que vem, que vai, que se mostra e esconde. Dou por mim a pensar que ainda bem que a Terra não é plana! 
Bettips

1. Agrades



Antes de o dia ir embora, dá meia volta e vê se valeu a pena vivê-lo. 
Agrades

quinta-feira, janeiro 01, 2015

AGENDA PARA JANEIRO DE 2015

Dia 8 - Reticências com a frase “Antes de o dia ir embora” a iniciar o texto. Não esquecer a fotografia.

O DESAFIO DE HOJE

Dia 1 - Ao jeito de cartilha: Proponho-vos que usemos a sílaba “bo” para formar as nossas palavras. O texto que alguns de nós acrescentarmos é facultativo.

10. Zambujal



         BOlas! BOlas para tanta BOla!

Bom ano novo para todos... ou Vom ano noBO

Zambujal

9. Teresa Silva



                         Bolas

Ainda ficaram algumas bolas de Natal... 
Teresa Silva

8. Rocha/Desenhamento

 

RETRATO

Era bonita, a moça; calçava botas e botava a bilha no redondo da anca, passo a passo, a saia badalando em jeito de sino. Ela dava ao vento o bolo da cabeleira apertada, camisa borrifada de flores, botões como pétalas, e a boca já pronta para bolinar cantigas em bolinhas de rolar por casa, bilha enfim sobre a mesa. 
Rocha de Sousa

7. M.



                      Abóboras

6. Luisa



                 Bonecas "flausinas"

5. Licínia



                                      Bocejo

4. Justine



                                  Garboso

3. Jawaa



                 Um bom bocado

2. Bettips



                                   Abada 

Pantheon: Maciço e simples para quem o olha de fora e se aproxima pela Piazza Minerva. A maior estrutura romana completa que sobreviveu até hoje. Foi edificada pelo Imperador Adriano entre o ano 118 e 128 DC. De uma dimensão e harmonia apenas possível "sentir" em presença, sabendo ao olhar, e espantando-se a gente, que o oculus central tem 9 m de diâmetro e é aberto. Pensado para inspirar a meditação olhando o céu, deixar entrar a luz... e a chuva. 
Bettips

1. Agrades



                                      Botinhas

Botinhas, ex-votos da ermida de Nossa Senhora da Visitação, em Montemor o Novo. 
Agrades