>

quinta-feira, dezembro 08, 2016

2. Benó



Pouco passava do meio dia e o grupo encontrava-se cansado. Havia até quem se queixasse que o estomago estava a dar horas pelo que teríamos de nos apressar para chegar a tempo do almoço. No entanto, a paisagem que bordejava o fiorde era composta por diversas cores que mudavam de tonalidade, conforme o ângulo de onde se viam, com mais ou menos luz solar e, enquanto as máquinas fotográficas disparavam incessantemente para “mais tarde recordar” eu pensava no meu algarve, neste cantinho tão a sudoeste da Europa, onde o mar é verde mas a terra é castanha, onde o vento norte castiga impiedosamente a flora silvestre não a deixando crescer, onde o sol se ergue do mar ao meu lado esquerdo e desaparece no mar do meu lado direito, para lá do promontório, onde não há neve nem temperaturas negativas, mas onde há alegria e muito calor. E então as saudades apertaram. 
Benó

5 Comments:

Blogger Isabel said...

A paisagem fotografada é linda, mas não há como a nossa sweet home!

8/12/16  
Blogger M. said...

É bom ir mas regressar ao ninho. Talvez porque o ninho se constrói pouco a pouco.

9/12/16  
Blogger bettips said...

Encanta-me "a cabeça", essa paisagem de fiords e montanhas de duendes! Mas sim, entendo-te e concordo, voltar à terra onde lugar, morno.

9/12/16  
Blogger Licínia Quitério said...

Uma viagem a outras terras, outras temperaturas e a saudade da casa a espreitar.

11/12/16  
Blogger Justine said...

Acontece sempre, não é? Por mais que se esteja a gostar dos passeios pelo estrangeiro, chega uma altura em que as saudades apertam e nos apetece voltar...

13/12/16  

Enviar um comentário

<< Home