>

quinta-feira, dezembro 28, 2017

2018, UM NOVO ANO NAS NOSSAS VIDAS

Que ao longo dos seus 12 meses possamos pousar nele os nossos sorrisos, pelo menos parecidos com o da Gioconda, tão rico de significados.
Nota: ao longo de 2018, encontrarão aqui a folha/marca de livro de cada mês do calendário que uma amiga me ofereceu carinhosamente.
M

AGENDA PARA JANEIRO DE 2018



Dia 18 - Com as palavras dentro do olhar sobre fotografia de Luisa.

AGENDA PARA JANEIRO DE 2018

Proposta de Luisa
Dia 4 - Ao jeito de cartilha: Proponho-vos que usemos a sílaba “ Mu para formar as nossas palavras. A palavra que cada um apresentar tem que conter a sílaba pedida e exprimir a imagem que lhe foi associada com sintonia clara entre ambas. Se houver preferência por um conceito, a regra a aplicar é a mesma, ou seja, ele tem que ser expresso por uma palavra que tenha a sílaba pedida. O texto que alguns de nós acrescentarmos é apenas facultativo e um complemento.
Dia 11 - Reticências com a frase “Vamos à procura a iniciar o texto. Não esquecer a fotografia.
Dia 18 - Com as palavras dentro do olhar sobre fotografia de Luisa.
Dia 25Fotografando as palavras de outros sobre o seguinte poema
Uma após uma as ondas apressadas
Enrolam o seu verde movimento
E chiam a alva spuma
No moreno das praias.
Uma após uma as nuvens vagarosas
Rasgam o seu redondo movimento
E o sol aquece o spaço
Do ar entre as nuvens scassas.
Indiferente a mim e eu a ela,
A natureza deste dia calmo
Furta pouco ao meu senso
De se esvair o tempo.
Só uma vaga pena inconsequente
Pára um momento à porta da minha alma
E após fitar-me um pouco
Passa, a sorrir de nada.
Obras Completas de Fernando Pessoa, IV Odes de Ricardo Reis
Edições Ática – Lisboa, Outubro 1983

O DESAFIO DE HOJE

Proposta de Licínia
DA SIMPLICIDADE

Escondo-me atrás de coisas simples,
para que me encontres.
Se não me encontrares, encontrarás as coisas,
tocarás o que minha mão já tocou,
os traços juntar-se-ão de nossas mãos,
uma na outra.
A lua de agosto brilha na cozinha
como pote estanhado (pela razão já dita),
ilumina a casa vazia e o silêncio ajoelhado,
este silêncio sempre ajoelhado.
Cada palavra é a partida
para um encontro - muita vez anulado –
e só é verdadeira quando, para esse encontro,
ela insiste, a palavra.
 
Yannis Ritsos, tradução de Eugénio de Andrade

9. Zambujal

8. Mena M.



«Escondo-me atrás de coisas simples, para que me encontres.»

7. M.

 

«Escondo-me atrás de coisas simples,
para que me encontres.
Se não me encontrares, encontrarás as coisas,
tocarás o que minha mão já tocou,
os traços juntar-se-ão de nossas mãos,
uma na outra.»

6. Luisa



 
"Cada palavra é a partida 
para um encontro - muita vez anulado -"

5. Licínia



“Escondo-me atrás de coisas simples/para que me encontres.”

4. Justine



 “se não me encontrares, encontrarás as coisas,…”

3. Isabel



"...Cada palavra é a partida 
para um encontro - muita vez anulado..."

2. Bettips



"Escondo-me atrás de coisas simples 
para que me encontres."

1. Agrades



“Escondo-me atrás de coisas simples.” 

quinta-feira, dezembro 21, 2017

A MINHA ÁRVORE DE NATAL





E os meus desejos de Feliz Natal para quem por aqui passar. 
M

AGENDA PARA DEZEMBRO DE 2017

Proposta de Licínia
Dia 28Fotografando as palavras de outros sobre o poema
 
DA SIMPLICIDADE
 
Escondo-me atrás de coisas simples,
para que me encontres.
Se não me encontrares, encontrarás as coisas,
tocarás o que minha mão já tocou,
os traços juntar-se-ão de nossas mãos,
uma na outra.
A lua de agosto brilha na cozinha
como pote estanhado (pela razão já dita),
ilumina a casa vazia e o silêncio ajoelhado,
este silêncio sempre ajoelhado.
Cada palavra é a partida
para um encontro - muita vez anulado –
e só é verdadeira quando, para esse encontro,
ela insiste, a palavra.
Yannis Ritsos, tradução de Eugénio de Andrade

O DESAFIO DE HOJE



Dia 21 - Com as palavras dentro do olhar sobre fotografia de Licínia.

9. Teresa Silva

Engraçada esta trupe. Vão representar ou fazem parte de uma manifestação? 
Teresa Silva

8. Mena M.

Mas que salgalhada de ideias me trouxe esta foto da Licínia: um senhor lá atrás que me fez pensar no Sheriff de Nottingham do Robin Hood, um outro que toca um instrumento musical que parece um barco, o terceiro de microfone na mão, como se estivesse a apresentar "Os Ídolos"! Do canhão irá sair uma chuva de papelinhos dourados? 
Mena

7. M.

Mal olhei para esta fotografia, lembrei-me de Dom Quixote e Sancho Pança do livro de Cervantes. Provavelmente, ao associar estes homens aos outros dois, fujo bastante à descrição que o escritor faz dos seus heróis mas assim os fantasiei, talvez porque, quando leio um livro, construo a minha imagem dos ambientes e personagens, por muito pormenorizada que seja a descrição. Penso ser essa a razão de, salvo raríssimas excepções, evitar ver filmes baseados em livros de que gostei muito. É como se me roubassem o pensamento e a vida que intimamente partilhei com as personagens que conheci num determinado contexto e que se tornaram reais para mim. Bem sei que no caso dos realizadores é também a sua interpretação que nos é oferecida, e que costumo apreciar, mas há momentos em que não desejo conhecê-la, talvez porque interfere com o que vivi num ambiente que me pertenceu, e a que pertenci.
M

6. Luisa

Cantemos e dancemos.
Luisa

5. Licínia

Esta foto é da representação teatral de um episódio histórico da chamada “Fiesta del Desarme”, que se celebra todos os anos em Oviedo (Espanha). Porque se trata de história e tradição com algum interesse, proponho que consultem a net onde há muito material sobre isto, nomeadamente, como introdução, https://es.wikipedia.org/wiki/El_desarme. Está em castelhano, não encontrei em português, mas o essencial creio que será entendível. 

4. Justine

Ao primeiro olhar distraído pareceu-me um bando de malfeitores com um canhão, estandarte bélico e um deles abraçado a uma arma estranha! Ao segundo olhar, mais atento e sorrindo, reconheci três músicos bonacheirões, tendo em punho dois objectos próprios para produzir aquela outra arma de incomparável força: a canção! 
Justine

3. Isabel

Piratas modernos, que falam ao microfone e andam em terra! 
Isabel

2. Bettips

Cada terra com seu uso / Cada roca com seu fuso. 
E não está má, a ideia dos confrades espanhóis: canções contra canhões! 

Bettips

1. Agrades

Guerra e Paz; Guerra devido ao canhão, paz pela música. 
Agrades

quinta-feira, dezembro 14, 2017

AGENDA PARA DEZEMBRO DE 2017



Dia 21 - Com as palavras dentro do olhar sobre fotografia de Licínia.

O DESAFIO DE HOJE

Proposta de Licínia
Dia 14 - Reticências com a frase “Então vamos lá a iniciar o texto. Não esquecer a fotografia.

11. Zé Viajante


Então vamos lá prender o animal enquanto vamos ali à tendinha bater um papo e beber um copo de três. 
Zé Viajante

10. Zambujal

Então vamos lá a iniciar o texto:
era uma vez uma escola, e com ela vieram lombas e sinais para moderar o trânsito e avisar que por ali havia crianças a correrem de mãos dadas. Estão lá as lombas e o sinal que proibe velocidades a mais de 30; o das crianças a correrem de mãos dadas foi-se embora, foi com as crianças, isto é, com a vida e o futuro da aldeia. Mas – atenção – a história não fica por aqui… pelas reticências finais deste texto.

Ah!, e não esqueci a fotografia:





Zambujal

9. Teresa Silva



Então vamos lá andar mais um pouco e depois descansar naquele banco que espera por nós.
Teresa Silva

8. Mena M.



Então vamos lá a ver se alguém me sabe dizer onde tirei esta fotografia. 
Mena

7. M.



Então vamos lá dar umas pinceladas nesta parede e transformá-la numa paisagem dentro da paisagem. Primeiro o sol, bem amarelo, espalhando alegria luminosa à sua volta, para podermos brincar até que o dia recolha o cansaço e o céu da noite apareça polvilhado de estrelas brilhantes a desafiar-nos o olhar. Não que os meninos se tenham manifestado com estas palavras, fui eu que as imaginei como pensamentos seus quando alguém da família lhes pôs à mão latas com restos de tinta, pincéis e rolos há anos adormecidos na velha arrecadação. 
M

6. Luisa



Então vamos lá aos saldos nesta loja há muito fechada. 
Luisa

5. Licínia



Então vamos lá, que alguém nos espera do outro lado dos montes. 
Licínia 
Por essa Espanha fora, de regresso das Astúrias.

4. Justine



Então vamos lá de novo a Serralves! Rever a Casa, nem que seja apenas por fora; respirar o ar limpo do jardim, num passeio ao acaso; descobrir aquela janela que deixa entrar uma luz diferente, a luz diferente do arquitecto inovador. Só isso seria suficiente – é sempre suficiente. Mas desta vez há ainda algo mais: visitar a excelente exposição com novos trabalhos de escultura de Jorge Pinheiro, sempre a reinventar-se. Então vamos lá! 
Justine

3. Isabel



Então vamos lá escrever um texto! E nesta altura do ano, que texto melhor se pode escrever que um texto a desejar um Feliz Natal e Ano Novo a todos os "colegas" do PpP? É Isso: Feliz Natal para todos e que o Ano Novo permita a realização de todos os sonhos! 
Isabel

2. Bettips



Então vamos lá descobrir que história de pasmar tem esta capelinha no meio da vidraria e vidralhada que lhe serve de fundo! Quando a zona da Boavista era considerada como um arrabalde da cidade do Porto, onde os burgueses e mercadores ricos tinham as suas casas de veraneio, um comerciante, António de Almeida Saraiva, mandou construir nesses terrenos uma casa agrícola, de linhas simples, com uma capela de estilo barroco num dos lados. Falamos do séc. XVIII, mais precisamente do ano de 1748. Chamou à quinta “Quinta do Bom Sucesso” e a capela tem o nome de Senhora do Bom Sucesso. A casa da quinta é hoje um restaurante-bar, mantendo-se a capela com abertura em alguns dias de culto. Considerada como património arquitectónico classificado, ficou integrada no arranha-céus de vidro do Shopping Cidade do Porto. Muita controvérsia houve sobre a autorização desta construção do centro comercial... mas ela lá está, de pedra e cal, ou melhor “vidro”. Por acaso, nunca a encontrei aberta, à capela. Mas trabalhava ali tão perto que me lembro dos terrenos agrícolas onde, volta e meia, pastavam vacas. 
Bettips

1. Agrades



Então vamos lá... se o meu peito não me engana, havemos de ir a Viana! 
Agrades

quinta-feira, dezembro 07, 2017

AGENDA PARA DEZEMBRO DE 2017

Proposta de Licínia
Dia 14 - Reticências com a frase “Então vamos lá a iniciar o texto. Não esquecer a fotografia.

O DESAFIO DE HOJE

Proposta de Licínia
Dia 7 - Ao jeito de cartilha: Proponho-vos que usemos a sílaba “ la para formar as nossas palavras. A palavra que cada um apresentar tem que conter a sílaba pedida e exprimir a imagem que lhe foi associada com sintonia clara entre ambas. Se houver preferência por um conceito, a regra a aplicar é a mesma, ou seja, ele tem que ser expresso por uma palavra que tenha a sílaba pedida. O texto que alguns de nós acrescentarmos é apenas facultativo e um complemento.

10. Zé Viajante



Cómoda lavatório

Um lavatório que me encantou. Museu da Fábrica de Loiça de Sacavém.
Cómoda lavatório, 1919. Proveniente da Quinta das Águas Férreas – Caneças.
Zé Viajante

9. Teresa Silva



Janela

Apesar da casa ser grande, não estava ninguém à janela.

8. Mena M.



Gaiola

7. M.



Sala de visitas

Museu Etnográfico González Santana em Olivença. Um museu muito interessante e completíssimo onde encontrei imensos objectos que me eram familiares. Alguns fizeram parte da minha vida, como, por exemplo, a mala que está em cima da cadeira. Não faço ideia a qual das pessoas da família tinha pertencido ou o que punham dentro dela, no meu tempo já estava um pouco estragada.
M

6. Luisa



Cancela na Serra de Montejunto

5. Licínia



Lazer

4. Justine



Janela

3. Isabel



Lado a lado

2. Bettips



Lagareta

Desde o tempo pré-romano e depois disso, se cultivavam e pisavam as uvas para fazer vinho. Muitas vezes em pedras côncavas e com utensílios artesanais. Esta é especial porque "não é de museu", ou seja, pertence e está num campo-vinha de um tio duma amiga, lá para os confins dos montes entre o Douro-Tua. Foi curioso, uma manhã em que fomos com ela, pelos laranjais e socalcos, numa camioneta de transporte, de caixa aberta, e ela nos mostrou aquela preciosidade. Tenho encontrado, em exposição, outras lagaretas mas esta é tão rústica que não resisti a mostrá-la.
Bettips

1. Agrades

 
Lata de laca