>

quinta-feira, outubro 25, 2012

5. Licínia

...

Vem comigo. Eu ensino-te a ver o interior das pedras. Fecha os olhos. Tateia o fuste. Sente a fria lisura na palma da tua mão. Abraça a coluna até onde chegar a vontade dos teus braços. Encosta o ouvido como se faz a um búzio. Podes até pensar que tens um corpo vivo ali ao teu dispor. Escuta o bater do teu coração. Há muito não o ouvias, eu sei. É preciso sonhar com o interior das pedras para ouvir o relógio da vida.

Licínia

8 Comments:

Blogger M. said...

Eu acho que sim, que esta coluna e esta fotografia provocam uma reacção viva em quem a vê. É a pedra humanizada de uma maneira muito bela.

25/10/12  
Blogger Justine said...

Belíssimo modo de dizer da nossa necessidade de arte para entendermos o nosso âmago!

26/10/12  
Blogger Rocha de Sousa said...

Como a pedra e a sua modelada memória nos leva a reencontrar
os afectos, o apelo aos encontros.

26/10/12  
Blogger mena maya said...

dizer da arte com arte!
Lindo!

26/10/12  
Blogger bettips said...

Só uma cadência de Poema nos poderia levar nesta demanda, enredada de segredos!

28/10/12  
Anonymous Anónimo said...

Poemas do tempo breve, pág. 88
Agrades

28/10/12  
Anonymous Anónimo said...

... eu tinha uma ideia de já ter visto isto... mas nada como uma vizinha da dita, ditosa amiga e atenta, eh eh eh! Obg
B.

29/10/12  
Anonymous Zambujal said...

... é preciso sonhar... sentir, nas pedras, o pulsar do tempo nosso.
Só as/os poetas.

31/10/12  

Enviar um comentário

<< Home