quinta-feira, julho 18, 2024

O DESAFIO DE HOJE

Proposta de Agrades

Este mês é considerado um tempo de férias, de festas, de música 🎷🎸🥁 🎹. E para celebrá-lo lembrei-me das notas musicais, que também podem ser conotadas com outras ideias. Portanto sugiro que se utilize “dó", na primeira 5ª feira; na segunda "ré"; na terceira semana "sol" e na quarta e última o "lá". Neste tempo de minimalismos, de economia e redução de recursos, talvez o tema seja apropriado.

Dia    4 – Dó

Dia  11 – Ré

Dia  18 – Sol

Dia  25 – Lá

8. Teresa Silva


 Teresa Silva

7. Mónica


 

Gosto de fazer o caminho para casa a pé, ao fim do dia de trabalho, passo por um espaço à beira do rio arranjado com os fundos do Programa Polis, um lugar artificial mas bonito, nunca tinha assistido a tantas cores de pôr-do-sol, variações de marés e os seus impactos na paisagem. Neste dia havia uma faixa rosa no céu e reparei que as horrorosas cadeiras de côr cobre do café estavam a condizer com o pôr-do-sol, menos mal, o dono do café lá sabe!

Mónica

6. Mena M


 

O sol a secar a roupa e a deixá-la com um cheirinho inconfundível, que sempre associo a Portugal. Lá onde moro o resto do ano tal não é possível.

Mena

quarta-feira, julho 17, 2024

5. M

 

Sol e sombra na escultura da flautista. Não me enganei, é uma figura feminina, de acordo com as informações que encontrei sobre o escultor que a pensou e executou: António Santos Lopes. Um artista abrantino com obra feita e que a esculpiu em homenagem à Banda União Artística de Castelo de Vide. Recomendo a leitura do link abaixo, aí se nomeia a diversidade de actividades desta instituição com impacto na vida cultural da região. Notável. Comovente. Gostei desta escultura uma vez que visitei a vila e fotografei-a. Gosto do som límpido das flautas. Espalha-se no ar e leva-me com ele até ao fim do mundo. Não sou capaz de distinguir a nota sol ou qualquer outra, mas isso não me importa. Bastam-me os sons que os músicos conseguem tirar deste instrumento com o seu sopro, mais aquela posição quase etérea dos braços e a dança de movimentos elegantes dos dedos. Lembro o primeiro flautista que me encantou quando o ouvi em 1978: o irlandês James Galway, estava eu em Inglaterra. Não o conhecia. Exultei. Recordo também o Flautista de Hamelin. Até ratos seduziu com a sua música, prova de que a música é universal. Todo ele envolto em notas musicais, deixando um rasto de sons pelo caminho: dó ré mi fá sol lá si, assim o mostram as imagens divertidas do livro. Até eu, que acho estes animais repelentes, penso que me esqueceria da presença deles e o seguiria entusiasmada, mesmo que tropeçasse nos ditos bichos provocando-lhes certamente guinchos indesejáveis.

M

O Flautista de Hamelin, Lenda Germânica, Adaptação de Jaume Cela, Ilustrações de Cristina Losantos, Editorial Notícias, Contos Tradicionais   

https://www.youtube.com/watch?v=hBQf1CV1Zfs

https://www.google.pt/url?sa=t&source=web&rct=j&opi=89978449&url=https://www.musica-portuguesa.com/musico/banda-uniao-artistica-de-castelo-de-vide-distrito-portalegre-alentejo/&ved=2ahUKEwiBpMf40faGAxVTRvEDHdIiC6Q4ChAWegQIBRAB&usg=AOvVaw21VLN-RhaChmGrghE0I0Xt