>

quinta-feira, janeiro 30, 2014

2. Benó



As flores não receiam nascer à beira dos caminhos, é verdade. Por isso, aqui na minha zona batida por fortes ventanias e salpicos da marulhada, as brancas estevas nascem nos terrenos incultos, em montes, vales e charnecas. 

Benó

6 Comments:

Blogger Luisa said...

E são lindas, assim rasteiras para se abrigarem do vento.

30/1/14  
Blogger bettips said...

Quando comecei a olhar e a cheirar as estevas era Maio e chegava ao Algarve, com esse cheiro adocicado, da amêndoa, da alfarroba...
Saudade daí.

30/1/14  
Blogger agrades said...

As estevas exibem-se assim exuberantemente porque sabem que ninguém as come. Um encanto incomestível.

30/1/14  
Blogger Licínia Quitério said...

Há belos poemas sobre estevas. São de facto extraordinárias, como rosas bravas.

31/1/14  
Blogger Rocha de Sousa said...

Tem razão, Benó, flores destes (estevas) são para permanecer na
paisagem, como acontece por cima
de Cárceres, e muito bem.

1/2/14  
Blogger M. said...

Bela a simplicidade e a pureza da paisagem.

2/2/14  

Enviar um comentário

<< Home