>

quarta-feira, setembro 30, 2015

10. Rocha/Desenhamento



                          Pano

Palavras em murmúrio, eu as oiço como sopro do entardecer. Parecem frases fracturadas, ditas de boca em boca, de ouvido para ouvido. E fico a lembrar-me das noites em casa da tia, minha mulher menina, sentada no valado, contando as primeiras palavras da sua vida comigo. 
Rocha de Sousa

6 Comments:

Blogger Justine said...

Uma fotografia belo em drapeado, um texto belo em lisura!

3/10/15  
Blogger M. said...

Quase como pano de cenário que se fecha sobre a cena abaixo descrita? Assim a memória das memórias?

4/10/15  
Blogger Licínia Quitério said...

Pano ou palavra, tudo são palavras.

5/10/15  
Blogger Luisa said...

Em casa das tias há sempre um pano a tapar a mesa onde nos sentamos à roda.

5/10/15  
Blogger bettips said...

Diria a tia: "Em bom pano cai a nódoa".
A foto: etérea como o tempo de lembrar as palavras na brisa da memória.

6/10/15  
Blogger jawaa said...


Atrás do cortinado a referência maior de um tempo que já passou, mas se repete e continua vivo, trazendo paz.

7/10/15  

Enviar um comentário

<< Home