>

quinta-feira, dezembro 12, 2013

10. Rocha/Desenhamento



... Um pedaço de mar abre-se ao longe, quieto e acinzentado, depois de um dia de verdadeira tormenta, horas e horas em que as ondas engoliram o areal e assaltaram a barreira terrosa. Barreira cada vez mais devastada por anos da mais violenta expressão das forças incontroláveis da Natureza. Mas ontem foi pior: toda a barreira sofreu brutais agressões por ondas imensas, a areia arrancada das suas âncoras distantes, na terra forte. O desastre arrastou para a ruína construções como esta casa, varanda, um sítio onde os pescadores se juntaram ao longo de muitos anos, meio convencidos da eternidade da paisagem e do mundo.
Rocha de Sousa

5 Comments:

Blogger Justine said...

É um aspecto do mar, de cada pedaço de mar, que também temos de tomar em consideração: a sua força destruidora. Mas tantas vezes tão ajudado pela incúria humana...

13/12/13  
Blogger Licínia Quitério said...

Um pedaço de mar pode tornar-se a imensidão de uma tormenta.

13/12/13  
Blogger bettips said...

A força da Natureza, a insensatez dos homens, numa fotografia muito especial para o tema. Parabéns, Rocha, por me diversificares o pensamento "arromantizado"!

13/12/13  
Blogger Luisa said...

A Terra devia saber que o Mar não desiste de ocupar o seu lugar primitivo

14/12/13  
Blogger Benó said...

Mesmo sem estar visível, é fácil perceber a sua fúria destruidora.

18/12/13  

Enviar um comentário

<< Home