>

quinta-feira, fevereiro 12, 2015

9. Rocha/Desenhamento



Nunca te esqueças de que, naquele tempo, o escudo era a nossa moeda e o muro de Berlim ainda não tombara, nem deixava abrir caminhos à liberdade - ou simplesmente ao "outro lado". Não foi há muito tempo, não, e já tudo minimizou a Europa. Nunca te esqueças disso: guarda o euro como as moedas de cobre do antigamente. Finge que não sabes que a globalização vai acabar com a paz e as paisagens sepultadas por cidades mamutianas. Tudo voltará a ficar submerso por um oceano do tamanho do mundo. Nunca te esqueças. 
Rocha de Sousa

8 Comments:

Blogger M. said...

O conhecimento do passado é iprescindível para entender o que por vezes não entendemos no presente.

14/2/15  
Blogger M. said...

"imprescindível", faltou o "m" no anterior comentário.

14/2/15  
Blogger Luisa said...

Quem me dera às vezes esquecer.

14/2/15  
Blogger bettips said...

NUNCA esquecer essa verdade como um murro.
Gostei da evocação e da fotografia.

14/2/15  
Blogger agrades said...

Tudo muda, nada permanece.

14/2/15  
Blogger Justine said...

Em tom mais ou menos apocalíptico, o teu texto! Mas infelizmente acabo a concordar com ele...

15/2/15  
Blogger Licínia Quitério said...

Mesmo o fim dos tempos anuncia um novo recomeço.

16/2/15  
Blogger Sérgio Ribeiro said...

Nunca te esqueças... do tempo e do seu percurso helicoidal. Na da voltará ao que foi.

16/2/15  

Enviar um comentário

<< Home