>

quinta-feira, maio 28, 2015

AGENDA PARA JUNHO DE 2015



Dia 18 - Com as palavras dentro do olhar sobre fotografia da Mena.

AGENDA PARA JUNHO DE 2015

Proposta da Mena
Dia 4 - Ao jeito de cartilha: Proponho-vos que usemos a sílabaPo” para formar as nossas palavras. O texto que alguns de nós acrescentarmos é facultativo.
Dia 11 - Reticências com a frase “Tivesse eu” a iniciar o texto. Não esquecer a fotografia.
Dia 18 - Com as palavras dentro do olhar sobre fotografia da Mena. 
Dia 25 - Fotografando as palavras de outros sobre o poema
III

ir à praia beber poemas
como se os meus olhos fossem estufas
onde repousam as lembranças todas
desde as aves mais remotas
até ao murmúrio da água
assim como subir as escadas de um sorriso e perder-me
nas ruas molhadas do quartier latin
Não sei porquê mas havia soldados
e fontes iluminadas de crianças
havia saxofones ambulantes
e lágrimas escondidas na soleira da porta
e eu — amor — encontrei um corrimão direito e châtelet
quando me despenteava pelos bares
foi assim por mais que queiras
que me afoguei naquela manhã de abril.

agora procuro as margens da ternura
onde encontre o teu rio
e fecharei os poemas:
Bonjour!

Porto, 31-5-81
Ângela Marques 
circulares 
nova renascença 
abril/junho 
primavera de 1985

7. Mena M. (fora do alinhamento porque o avião de Berlim chegou com algum atraso...)




« A boneca, impassível, continuava a vomitar.»

O DESAFIO DE HOJE

Dia 28 - Fotografando as palavras de outros sobre este excerto de um livro de que gostei muito, embora de início me tenha sido estranho: 
«Nani, Nani. A boneca, impassível, continuava a vomitar. Despejaste para o lavatório todo o teu limo, valente. Abri-lhe os lábios, com um dedo alarguei o orifício da boca, deixei-lhe correr para dentro água da torneira e depois agitei-a com força, para lhe lavar muito bem a cavidade sombria do tronco, do ventre, e fazer sair por fim o bebé que Elena lhe introduzira lá dentro. Brincadeiras. Dizer tudo às meninas, desde a infância: elas depois pensarão em inventar um mundo aceitável. Eu própria agora estava a brincar, uma mãe não é mais do que uma filha a brincar, ajudava-me a reflectir.» 
Crónicas do Mal de Amor (A Filha Obscura), Elena Ferrante, Relógio D'Água Editores, Maio de 2014

6. Rocha/Desenhamento



Círculo vicioso imagem reelaborada por Rocha de Sousa

5. M.



«... uma mãe não é mais do que uma filha a brincar...»

4. Licínia



"...fazer sair, por fim, o bebé..."

3. Justine

2. Bettips

1. Agrades

quinta-feira, maio 21, 2015

AGENDA PARA MAIO DE 2015

Dia 28 - Fotografando as palavras de outros sobre este excerto de um livro de que gostei muito, embora de início me tenha sido estranho: 
«Nani, Nani. A boneca, impassível, continuava a vomitar. Despejaste para o lavatório todo o teu limo, valente. Abri-lhe os lábios, com um dedo alarguei o orifício da boca, deixei-lhe correr para dentro água da torneira e depois agitei-a com força, para lhe lavar muito bem a cavidade sombria do tronco, do ventre, e fazer sair por fim o bebé que Elena lhe introduzira lá dentro. Brincadeiras. Dizer tudo às meninas, desde a infância: elas depois pensarão em inventar um mundo aceitável. Eu própria agora estava a brincar, uma mãe não é mais do que uma filha a brincar, ajudava-me a reflectir.»
Crónicas do Mal de Amor (A Filha Obscura), Elena Ferrante, Relógio D'Água Editores, Maio de 2014

O DESAFIO DE HOJE



Dia 21 - Com as palavras dentro do olhar sobre fotografia da M.

10. Zambujal

Olho a foto e que vejo (que vêem os meus olhos, e que retenho quando os volto para o teclado)? Uns ramitos desnudados num primeiro plano de uma mansarda, talvez parisiense…, de onde parece ter saído um camião TIR que atravessa um viaduto. E começo a efabular recordações vividas e nunca contadas. Aqui, pelo menos…
Um dia (ou… era uma vez) fazia uma das minhas viagens malucas Zambujal - Bruxelas (e volta), agarrado ao volante e a ouvir uma selecção de CDs. Chegara aos arredores de Paris e a entrada no “periphérique” exigia maior concentração, a todas as horas que todas são “de ponta”. Ao longe e ao alto vislumbro uma indicação a letras garrafais PARIS BRUXELAS; procuro, com as dificuldades sabidas a 100-à-hora, apanhar a faixa da direita, consigo… e, quando levanto os olhos, vejo que a indicação vem de um camião TIR em cima de um viaduto sobre o “periphérique”, engarrafado no trânsito. Ainda procuro corrigir, passar para uma faixa mais à esquerda mas não me deixam!
Fui engolido pelas entranhas de Paris. E foi um sarilho sair delas e recuperar o “periphérique” e a saída norte, para Bruxelas… sem ser de camião TIR.

As palavras que se soltaram de dentro do olhar, ao olhar a sugestiva foto!

Zambujal

9. Teresa Silva

Bonita fotografia. Um jogo de planos muito bem conseguido. Da janela mais alta da casa parece ver-se muito perto o carro que passa no viaduto.As árvores no primeiro plano, embora despidas, dão um certo alento a uma cidade que teve de modernizar-se. O automóvel tornou-se mais importante do que uma casa. É assim o "progresso".
Teresa Silva

8. Rocha/Desenhamento

Reparo no azul do céu, este é um recanto de Lisboa, até sinto as palavras dentro dos olhos. Fotografia de bom zelo no enquadramento, as arquitecturas e ramos de árvore em primeiro plano e em baixo, entre cortes dinâmicos, da bela casa em esquina à não muito longínqua passadeira ao alto, em betão, de acesso à Ponte sobre o Tejo, um telhado por baixo, um muro em aguda perspectiva à direita, as árvores sem folhas no proscénio. E o largo resto da composição, dentro dos olhos, é todo o azul do céu, inteiro como o dia.
Rocha de Sousa

7. Mena M.

Ao olhar esta foto pela primeira vez, tive a certeza de que tinha nevado. O contraste do branco tão puro com o azul do céu deu-me essa ilusão. Serão saudades de um inverno branquinho que não tivemos este ano?
Mena

6. M.

Eu andava pelo bairro lembrando lugares, reconhecendo-os, descobrindo diferenças trazidas pelos anos de ausência, pisando devagar as pedras do caminho que me levava ao liceu onde fui aluna durante cinco anos. A certa altura, ao olhar para cima, reparei no enquadramento da janela entreaberta: o rosa vivo, a parede fechada do outro lado, os ramos secos das árvores, o céu azul, os telhados escondendo vidas, o pedacinho da plataforma da ponte. Parei, o olhar preso lá longe, à espera que algum carro passasse e eu conseguisse captá-lo através da minha máquina fotográfica, apesar da pressa com que se deslocavam, como se, uns atrás dos outros, fugissem de mim. Aprisionei a camioneta, tão pequenina na distância. E pensei: interessante como a distância pode fazer parte do que nos está mais próximo.
Entre a brevidade dos momentos e a permanência me construo e reconstruo. Eu, a adulta de hoje, e a outra eu, a da infância e da juventude. E no entanto sempre eu, fiel companhia que me sustém no mapa da minha existência.
M

5. Luisa

Quando comprei esta casa não imaginava que, um dia, iria acordar com uma camioneta a entrar-me pela janela.
Luisa

4. Licínia

Outrora houve por ali casas e nas casas houve gente que chegava à janela e olhava para o céu onde os únicos passantes eram aves, talvez os pardais da cidade, as andorinhas primaveris, as gaivotas que procuram terra quando a borrasca se avizinha. Muitas dessas casas ainda ali estão, com outra gente nelas, gente que para ver o céu precisa de esticar mais o pescoço, de dirigir os olhos mais para cima, não vão eles esbarrar na estrada que depois apareceu, suspensa em altas pernas, longa, longa, caminhando sobre a terra, sobre o rio, sobre a terra de novo. Os que nela passam, muito alto, muito alto, olham para baixo, para os telhados das casas, para as pessoas pequeninas, para os barcos no rio. Olham, como olham os pardais, as andorinhas, as gaivotas e outros, como eles, passageiros do céu.
Licínia

3. Justine

Um palacete de outros tempos, majestoso e elegante. Um viaduto moderno e desengraçado, por onde rola um camião a cortar o céu. Uma parede cega e um telhado com remendos, disfarçados por uma cortina de árvores no inverno. A beleza e a fealdade numa paisagem urbana…
Justine

2. Bettips

Tantas as pontes, tantas as travessias das nossas vidas. Que, mesmo olhadas de longe, sabemos que existem e as atravessaremos. Com estrépito, com doçura, com lágrimas ou risos, elas estão ali, no olhar ou nos anos, para nos levar a outro lado, em viagem ou em separação.
Bettips

1. Agrades

Olho a foto, bem bonita e enigmática, e vejo um céu imenso e azul, que me quer fazer lembrar o verão; no entanto as ramadas das árvores despidas são indício que a primavera está longe...
Quanto às construções, há-as de materiais e feitura singela a contrastar com outra de elaborada arquitetura e gosto e a ponte, altaneira e segura, lá no alto, que mostra um único veículo a atravessá-la. Aí há gente, que não se vê mas adivinha-se. E as casas, serão habitadas?
Tanta interrogação... 
Agrades

quinta-feira, maio 14, 2015

AGENDA PARA MAIO DE 2015



Dia 21 - Com as palavras dentro do olhar sobre fotografia da M.

O DESAFIO DE HOJE

Dia 14 - Reticências com a frase “Restara apenas” a iniciar o texto. Não esquecer a fotografia.

quarta-feira, maio 13, 2015

10. Zambujal



                    Restara apenas 
               aquele pedaço de broa, 
                 e o amigo estava lá. 
Para registar o momento… e encher o copo (para desembuchar!). 
    Depois, mandou a foto que, agora, fotografada, 
serve para lembrar o momento e para cumprir a lembrança PPP. 
Zambujal

9. Teresa Silva



Restara apenas esta Igreja daquilo que fora a aldeia da Faia, a primeira aldeia a ser inundada para fazer uma barragem, nos longínquos anos 60 do século passado. Construíram uma nova aldeia e as pedras foram trazidas e colocadas de forma a ficar um templo igual, segundo informação de populares.
Teresa Silva

8. Rocha/Desenhamento



Restara apenas os destroços da minha rua, na cidade de Homs. Hoje sinto saudades daquele jardim onde brincávamos com franqueza e risadas. Estou longe da minha rua, as pedras envelhecem ao longe.
Rocha de Sousa

7. Mena M.



Restara apenas parte do desenho deste lindo azulejo, gasto quiçá pelos pés das crianças que há vários séculos brincam nos bancos do jardim do palacete da Quinta do Peres no Monsanto.
Vi-o e fotografei-o no passado sábado, quando lá fui levar as meninas a uma festa de anos de uma amiguinha da escola. 
Mena

6. M.



Restara apenas o cabo do guarda-chuva. Dias antes, um vendaval desabrido arrancara-lhe das mãos a haste com as varetas e arrastara-as pelo ar enroladas no tecido preto rasgado, ao encontro das nuvens cinzentas que corriam apressadas sobre a sua cabeça. Resolvera então pendurá-lo na geringonça instalada no exterior do teatro, talvez alguém achasse graça àquele ponto de interrogação ou encontrasse nele algum simbolismo. Não é o teatro um espaço de permanente reflexão sobre a vida, expressa das formas mais diversas? 
Felizmente o sol abrira-se um pouco a meio da manhã apaziguando com a sua presença os temperamentais assomos outonais. Hoje até podia fumar o seu primeiro cigarro ao ar livre sem se preocupar com imprevistos climáticos. Não o acabou, alguém lhe falava ao ouvido, o tal sensato do costume, um sensaborão. Não estranhou o sussurro, estava habituado a conviver com várias personagens dentro de si. Mergulhou a beata na água de uma das taças abandonando-a à curiosidade de algum pardalito que ali pousasse a refrescar-se. Antes escorrega de bebedouro do que beata!, pensou. Sorriu, divertiam-no os diferentes significados que as palavras podem ter. Sentindo-se mais relaxado depois do breve intervalo, entrou no edifício. Na sala, os outros actores esperavam-no para ensaiarem em conjunto a peça de teatro que assinalava o quadragésimo aniversário da companhia. 
M
(Em novembro de 2011, acompanhei uns amigos na visita à sede do Grupo de Teatro o Bando em Vale de Barris, Palmela, onde tirei esta fotografia por achar graça ao recanto.)

5. Luisa



Restara apenas da quinta da minha infância uma parede esburacada e sacadas a abrirem para o nada. 
Luisa

4. Licínia



RESTARA APENAS... 
... a lembrança das vozes das crianças no pátio da escola, paredes meias com a formosa quinta. Das flores, assim chamada. Viva, a memória das devassas inocentes da propriedade, aproveitando a velhice do portão. À saída da escola, no fim do Inverno, os renques de camélias, vermelhas, brancas, bicolores, atraíam as mãos das meninas, corpito esticado, em bicos de pés, ofegantes do prazer proibido. Os meninos, mais corpulentos, mais afoitos, alongavam os passos, carreiro fora, e iam à colheita das laranjas. Sobejas vezes, o latido de um cão matara a ousadia e fora um pernas-para-que-vos quero, laranjas pelo chão, talvez uma na mão e outra já presa nos dentes, o raio do cão havia de as pagar.
- Tanta coisa mudou na Quinta das Flores, disse ela. Ainda lá estão as camélias, as laranjas também. Não há o cão, mas os miúdos não se afoitam, como dantes, pelo caminho rente ao muro, até porque um arame farpado ameaça agora atrevimentos.
Por muito que se tivesse esforçado, não conseguira perceber porque é que a escola já lá não estava. Mandaram-na embora. Talvez já não prestasse. 
Licínia

3. Justine



Restara apenas, da sua visita na véspera, o silêncio e aquele ramo de jarros. Quando de manhã chegou à sala, foi difícil recordar a discussão contida, os gestos indiferentes, os olhos de ausência. Nada mais tinha para guardar. Quando a porta se fechou nas suas costas, de toda uma vida restara apenas o silêncio e aquele ramo de jarros… 
Justine

2. Bettips



Restara apenas aquele rendado de pedra antiga, talvez uma igreja, no meio dos prédios de vidros espelhados, dos armazéns reconvertidos, dos tijolos enegrecidos pelo trabalho e fumo do que foram as docas.
Bettips 
(Southbank, Londres, Abril 2015)

1. Agrades



Restara apenas o lixo... 
Agrades

quarta-feira, maio 06, 2015

AGENDA PARA MAIO DE 2015

Dia 14 - Reticências com a frase “Restara apenas” a iniciar o texto. Não esquecer a fotografia.

O DESAFIO DE HOJE

Dia 7 - Ao jeito de cartilha: Proponho-vos que usemos a sílaba “De” para formar as nossas palavras. O texto que alguns de nós acrescentarmos é facultativo.

10. Zambujal



                      Demócrito

                           De cisões deambulantes
Deveras desalentada com o desastre do fice doméstico, Deolinda estava a ficar desorientada. 
De desaire em desaire decorria a vida deles e, depois de muito meditar, decidiu pôr fim à deriva financeira, em definitivo. De dedo em riste decretou: Demito-me de esposa dedicada e desconsiderada, passo a gestora cá de casa… devem pagar-se os bitos, devolve-se o desnecessário e, depois de um determinado tempo de austeridade, vamos de novo ao mercado”. Ele, Demócrito de seu nome, deu de ombros e sorriu: Desisto de discutir, não sou como Demóstenes! P’ra dizer a verdade, estás a ver demasiada televisão… quando é que são as eleições?”
Zambujal

9. Teresa Silva



                        Verde
 
Desde que começou a Primavera tudo está mais verde.
Teresa Silva

8. Rocha/Desenhamento



De jeito manual picando nas velhas paredes de velhas casas. 
Rocha de Sousa

7. Mena M.



             Decalque

6. M.



                         Balde

Debalde foi ali pousado o balde em descanso temporário, pensado como sendo de bom préstimo para quem regasse a horta ou arrecadar nele os legumes colhidos pela manhã. Mas qualquer coisa deve ter corrido mal. Alguma embirração com o seu aspecto antiquado e enferrujado, ou preferência por balde de plástico garrido comprado na feira mensal, talvez uma represália, e vá lá saber-se o motivo, nas aldeias é comum sobreporem-se as vindictas à natureza pura da terra. Em vez do estado de provisória quietude na beira do tanque, passou o balde ao estado de abandono vitalício, ainda por cima taparam-lhe a boca, nem gritar ele pode, coitado. Suplício supremo, penso eu, quase o de Tântalo. 
M

5. Luisa



                     Decapitação

4. Licínia



                        Degraus

Palavras de Saramago nos degraus da escadaria da Casa dos Bicos, hoje lugar da obra e da memória do nosso Nobel. 
Licínia

3. Justine



                     Desemprego

2. Bettips



                         Rede
 
De facto, tratava-se apenas do que agora se chama “uma instalação”, folhas de metal e rede, balouçando ao vento meigo da ria. Mas eram muito graciosas e suspendiam, por momentos, a poalha do sol quando ele desmaiava de cansaço, sentindo e mostrando na cor e no brilho, uma nostalgia pela terra aguada e pelo mar sempre presente. Fiquei um pouco menos desolada pelo corte das imponentes palmeiras que me habituara a ver e, espero, sejam substituídas por outras árvores valentes.

Bettips

1. Agrades



                                      Decadente

quinta-feira, abril 30, 2015

AGENDA PARA MAIO DE 2015



Dia 21 - Com as palavras dentro do olhar sobre fotografia da M.

AGENDA PARA MAIO DE 2015

Eu em substituição da Mac que, por alturas da atribuição das datas dos desafios a cada um de nós, preferiu entregar-me a tarefa. Até talvez tenha sido boa ideia pois nunca mais tive notícias suas.
Dia 7 - Ao jeito de cartilha: Proponho-vos que usemos a sílaba “De” para formar as nossas palavras. O texto que alguns de nós acrescentarmos é facultativo.
Dia 14 - Reticências com a frase “Restara apenas” a iniciar o texto. Não esquecer a fotografia.
Dia 21 - Com as palavras dentro do olhar sobre fotografia da M. 
Dia 28 - Fotografando as palavras de outros sobre este excerto de um livro de que gostei muito, embora de início me tenha sido estranho:

«Nani, Nani. A boneca, impassível,continuava a vomitar. Despejaste para o lavatório todo o teu limo, valente. Abri-lhe os lábios, com um dedo alarguei o orifício da boca, deixei-lhe correr para dentro água da torneira e depois agitei-a com força, para lhe lavar muito bem a cavidade sombria do tronco, do ventre, e fazer sair por fim o bebé que Elena lhe introduzira lá dentro. Brincadeiras. Dizer tudo às meninas, desde a infância: elas depois pensarão em inventar um mundo aceitável. Eu própria agora estava a brincar, uma mãe não é mais do que uma filha a brincar, ajudava-me a reflectir. 
Crónicas do Mal de Amor (A Filha Obscura), Elena Ferrante, Relógio D'Água Editores, Maio de 2014

O DESAFIO DE HOJE

Dia 30 - Fotografando as palavras de outros sobre o excerto de um livro que o meu Pai me ofereceu há muitos anos, e que agora reli com prazer, quando procurava material para os desafios deste mês.

«Dissolvida a reunião, Helena recolheu-se à pressa com o pretexto de que estava a cair de sono, mas realmente para dar à natureza o tributo de suas lágrimas. O desespêro comprimido tumultuava no coração, prestes a irromper. Helena entrou no quarto, fechou a porta, soltou um grito e lançou-se de golpe à cama, a chorar e a soluçar. A beleza dolorida é dos mais patéticos espetáculos que a natureza e a fortuna podem oferecer à contemplação do homem. Helena torcia-se no leito como se todos os ventos do infortúnio se houvessem desencadeado sôbre ela. Em vão tentava abafar os soluços, cravando os dentes no travesseiro. Gemia, entrecortava o pranto com exclamações sôltas, enrolava no pescoço os cabelos deslaçados pela violência da aflição, buscando na morte o mais pronto dos remédios.

(…)
Quando a tormenta pareceu extinta, a moça sentou-se na cama e olhou vagamente em tôrno de si. Depois ergueu-se; dirigiu-se trôpega ao quarto de vestir; ali parou diante do espelho, mas fugiu logo, como se lhe pesasse encarar consigo mesma. Uma das janelas estava aberta. Helena foi ali aspirar um pouco do ar da noite. Esta era clara, tranqüila e quente. As estrêlas tinham uma cintilação viva que as fazia parecer alegres. Helena enfiou um olhar por entre elas como procurando o caminho da felicidade. Estêve à janela cêrca de meia hora; depois entrou, sentou-se e escreveu uma carta.» 
Helena, Capítulo XIII, Machado de Assis, Gráfica Editôra Record, Rio de Janeiro, 1967

10. Zambujal

  … depois, pela madrugada dentro 
  entrando pela manhã, 
ficou a ler palavras de outros 
 e a escrever palavras de todos, 
 à sua maneira… 
 Zambujal

9. Teresa Silva

8. Rocha/Desenhamento

7. Mena M.



« (...) depois entrou, sentou-se e escreveu uma carta.»

6. M.

5. Luisa

4. Licínia



«Uma das janelas estava aberta. Helena foi ali aspirar o ar da noite.»

3. Justine

2. Bettips

1. Agrades

quinta-feira, abril 23, 2015

AGENDA PARA ABRIL DE 2015

Dia 30 - Fotografando as palavras de outros sobre o excerto de um livro que o meu Pai me ofereceu há muitos anos, e que agora reli com prazer, quando procurava material para os desafios deste mês. 
«Dissolvida a reunião, Helena recolheu-se à pressa com o pretexto de que estava a cair de sono, mas realmente para dar à natureza o tributo de suas lágrimas. O desespêro comprimido tumultuava no coração, prestes a irromper. Helena entrou no quarto, fechou a porta, soltou um grito e lançou-se de golpe à cama, a chorar e a soluçar. 
A beleza dolorida é dos mais patéticos espetáculos que a natureza e a fortuna podem oferecer à contemplação do homem. Helena torcia-se no leito como se todos os ventos do infortúnio se houvessem desencadeado sôbre ela. Em vão tentava abafar os soluços, cravando os dentes no travesseiro. Gemia, entrecortava o pranto com exclamações sôltas, enrolava no pescoço os cabelos deslaçados pela violência da aflição, buscando na morte o mais pronto dos remédios. 
(…) 
Quando a tormenta pareceu extinta, a moça sentou-se na cama e olhou vagamente em tôrno de si. Depois ergueu-se; dirigiu-se trôpega ao quarto de vestir; ali parou diante do espelho, mas fugiu logo, como se lhe pesasse encarar consigo mesma. Uma das janelas estava aberta. Helena foi ali aspirar um pouco do ar da noite. Esta era clara, tranqüila e quente. As estrêlas tinham uma cintilação viva que as fazia parecer alegres. Helena enfiou um olhar por entre elas como procurando o caminho da felicidade. Estêve à janela cêrca de meia hora; depois entrou, sentou-se e escreveu uma carta.» 
Helena, Capítulo XIII, Machado de Assis, Gráfica Editôra Record, Rio de Janeiro, 1967

O DESAFIO DE HOJE

Dia 23 – Jornal de Parede

11. Zambujal



Coisas que jornais (que não alguns de parede) e restante “comunicação social” ignoram, como a assinalação dos 65 anos do Apelo de Estocolmo e, hoje, 1% das armas nucleares “em armazém” têm 4 mil vezes mais poder destruidor que a bomba de Hiroshima, segundo a Federação Internacional dos Trabalhadores Científicos… Coisas! 
Zambujal

10. Teresa Silva



No último Domingo conheci o rio Paiva. Lindíssimo. 
Teresa Silva

9. Rocha/Desenhamento

8. Mena M.

7. M.





 
Duas estátuas que fotografei, de dia, escolhidas entre as sete que existem na Place Massena, em Nice, e que fazem parte da obra “Conversa em Nice”, de Jaume Plensa, artista catalão.

«A instalação consiste em sete estátuas de resina sentadas a mais de 10 metros de altura em postes de aço. Durante o dia, as estátuas são brancas, e à noite são iluminadas por dentro com lâmpadas de cor. As sete estátuas representam os sete continentes. A forma como as estátuas mudam de cor para cor tem a intenção de representar a interação entre as comunidades que fazem a nossa sociedade e criar um diálogo entre as próprias figuras e transeuntes.» (Retirado da net)

6. Luisa

5. Licínia



NUVEM 
Achou-se, perdida em céu azul, deslocando-se com dificuldade. Foi recolhida em foto digital, à guarda de pessoa séria e desocupada. Entrega-se a quem provar merecê-la. 
Licínia

4. Justine



Foto de uma parede da Fundação Amílcar Cabral, na cidade da Praia, Santiago, Cabo-Verde. 
Justine