>

quinta-feira, setembro 19, 2019

O NOSSO QUERIDO MÊS DE AGOSTO

Proposta de M.
 Dia 26 de setembro - O Tempo dos Outros

O NOSSO QUERIDO MÊS DE AGOSTO

Proposta de M.

Dia 19 de setembro – Os Agostos da Nossa Juventude

11. Zambujal

Os Agostos da nossa minha juventude tinham, ao que hoje me parece, mais de 31 dias. E cada dia desses Agostos tinha mais do que as 24 horas dos dias dos outros meses. Os mais de 31 dias começavam de manhãzinha muito cedo e prolongavam-se para além das horas a que o sol se punha, deixando uma luz, uma cor, uma temperatura, um ambiente, que convidava a tudo menos a ir dormir as horas que completavam as tais convencionadas 24 horas. Na aldeia natal (e de férias), os Agostos da minha juventude tinham a ligação ao resto do ano, aos meses de antes de Agosto e aos meses de depois de Agosto, na ida e volta de buscar jornais (os desportivos saiam 2 vezes por semana!) com notícias da Volta a Portugal em bicicleta, à venda do sr. Francisco da Reca, a 4 quilómetros de distância. A pé ou de bicicleta. 
A propósito de bicicletas... houve um Agosto da minha juventude com passeios que a sumida fotografia sobrevivente a tantos anos passados lembram e tornam inesquecível esse Agosto da minha nossa juventude.
 
Zambujal

NOTA: 
O texto que o Zambujal me enviou tinha uma espécie de tracejado por cima da palavra "nossa", na primeira frase, e o mesmo tracejado sobre a palavra "minha" no fim. Infelizmente não consigo manter esse aspecto, o que era relevante pelo sentido que lhe imprimia. Lamento.   
M

10. Teresa Silva



Bons tempos em S. Martinho do Porto. 

Teresa

9. Mónica

Não gosto do mês de Agosto por nenhuma razão especial ou particular, não gosto da euforia que se apodera de toda a gente no mês de Agosto: o país “fecha” e as pessoas deslocam-se para o litoral, exceto algumas aldeias que só “abrem” em Agosto para receberem os emigrantes. Alinhei nesses Agostos em três anos seguidos da minha juventude, na viragem dos anos 70 para 80 do século passado (faz de conta que estou a explicar o tempo aos meus colegas de trabalho), festas de garagem em casas cujos anfitriões desconhecia, viajar à boleia entre praias do Algarve, andar de mota a três, umas beijocas desinteressantes ao rapaz mais bonito e popular da escola, o meu primeiro namorado a sério, fiz amigos que foram cúmplices, participantes nesses Agostos e que nunca mais vi, aturei despreocupada a vigilância paterna machista “Manuel traz a Mónica para casa à meia-noite e depois vais à tua vida” que o meu irmão cumpria, ouvíamos as músicas dos Boney-M, Gloria Gaynor, CheapTrick, FisherZ, sentia-me feliz, sem planos, cada dia diferente e surpreendente, a pisar o risco sem consequências, alienada do que me rodeava, nem sabia que era Agosto... 
Mónica

8. Mena M.

7. Margarida



Variavam habitualmente entre o salgado e o salobro, divertidos até mais não. Tinham por vezes o dom do recobro, para nós a perfeição. 
Margarida

6. M.



Várias fotografias e palavras poderia eu escolher para lembrar os agostos da minha juventude mas elas seriam restritivas pela sua condição de eleitas para um objectivo de ocasião. Se distinguisse apenas determinados episódios e as emoções a eles associadas correria o risco de esquecer por momentos a relevância de outros igualmente marcantes guardados no desejo de absoluto que a memória por vezes tem. Assim, num compromisso meu com essa ideia de absoluto, privilegio esta imagem: nela está contida a essência desse tempo da minha vida. 
M

5. Luisa



A convite de amigos, passei muitos Agostos da minha juventude na Praia da Areia Branca. Para além da minha foto junto uma outra, não tirada por mim, que mostra bem como gozávamos as férias naquelas idades. 
Luisa

4. Justine



Todos os anos, em Agosto, os pais as deixavam lá, no campismo. À guarda de uma amiga de confiança, pois pareceria mal duas meninas ficarem sozinhas em férias. E as duas irmãs, com a conivência da amiga de confiança, que nelas confiava, de manhã nadavam na lagoa, passeavam até à aberta, combinavam encontros no Inatel à tarde com amigos de muitos anos, para um refresco ou um gelado. Era le temps de l’amour, le temps des copains et de l’aventure. E à noite, à luz das estrelas, era tempo para se inventarem histórias sobre a casa que fora envelhecendo à medida que as meninas se tornavam jovens, mas que nunca deixara de as fascinar. 
Justine

3. Isabel



Os Agostos da minha juventude eram felizes e despreocupados. Uns, passados na aldeia, outros na praia, outros na cidade... Passeava, brincava, nadava, ia às compras, lia muitos livros, via muita televisão, dançava... eram tempos despreocupados e os problemas resolviam-se sempre. Naquele tempo tudo estava bem / tudo ficava bem. Acima de tudo, naquele tempo não faltava ninguém importante, ao fim do dia na mesa do jantar ou nas reuniões de família... 
Isabel

2. Bettips



Há tempos, passei na praia da minha juventude. Onde só as pedras amarelas restam, embora domesticadas por passadiços e gente itinerante que lhe pousa os pertences. O areal já não é imenso, nas dunas e pinhais fizeram ruas, instalaram prédios, cafés, supermercados, "bons-dias"... Há estacionamentos, rotundas, parques de manutenção para os nutridos ou com o frenesim da saúde, pistas para bicicletas, tabuletas "vá por aqui/vá por ali", tudo bem organizado para a vida irrepreensível que se quer ter. A maior parte das casas estão vazias, são feias, cada prédio de sua cor e feitio, sem harmonia, uma selva moderna de betão e vidro. Há fachadas que lembram bichos negros, com varandas-olhos a brilhar no escuro.
Recolho-me ao passado, com um arrepio. Onde estarão aquelas pessoas, que se juntavam ao fim de semana, em nossa casa, no nosso quintal, no campismo que, agora, sei chamar-se de "ecológico"? De alguns soube do desaparecimento, morreram chegado o seu termo de vida. Mas confesso que, da gente nova e dos que eventualmente ainda restam, gostaria de saber o que é feito deles e que lembranças têm desse tempo. E, é claro, saber das fotografias que se tiravam e nunca vi. 
Bettips

1. Agrades



Foz do Lizandro. 
Agrades

quinta-feira, setembro 12, 2019

O NOSSO QUERIDO MÊS DE AGOSTO

Proposta de M.
Dia 19 de setembro – Os Agostos da Nossa Juventude

O NOSSO QUERIDO MÊS DE AGOSTO

Proposta de M.
Dia 12 de setembro – As Sombras dos Lugares

12. Zé Viajante

11. Teresa Silva

10. Mónica

9. Mena M.

8. Margarida



Baía das Velas (vista do moinho velho), S. Jorge, Açores, Portugal. 
Margarida

7. M.



É lugar de emigração aquele, a serra caminho verde para o abraço no regresso às festas do calendário litúrgico de cada aldeia e ao tule a esvoaçar como pássaros no adro da igreja. Conversas abrem risos entre famílias e amigos, visitam a casa em construção, assentam mais uma fiada de tijolos na parede da varanda virada ao pôr do sol, escolhe-se o chão onde pousar o futuro, o pensamento entre là-bas e o depois. No entanto, despedaçados podem ficar os sonhos na curva da estrada que se conhece desde sempre, violentamente expostos na memória da terra-mãe em empresa de sucata à beira das giestas em flor. Tão invasivo e chocante pode ser este nosso mundo! 
M

quarta-feira, setembro 11, 2019

6. Luisa



Quem não pode ir para a praia em Agosto tem que se abrigar do calor nas sombras das casas da sua aldeia. 
Luisa

5. Licínia



Sol e sombra num lugar perdido lá para os lados de Vidago. Envolvente de um solar em ruínas. 
Licínia

4. Justine



O calor começou logo de manhã, violento, implacável. Baixa-me a tensão, tira- me as forças, não me apetece mexer nem um dedo. A custo arrasto comigo um livro até debaixo da glicínia e aí fico, à espera que o pôr-do-sol me faça esquecer este bendito mês de Agosto! 
Justine

3. Isabel

2. Bettips

1. Agrades

quinta-feira, setembro 05, 2019

O NOSSO QUERIDO MÊS DE AGOSTO

Proposta de M.
Dia 12 de setembro – As Sombras dos Lugares

O NOSSO QUERIDO MÊS DE AGOSTO

O Nosso Querido Mês de Agosto
Proposta de M.
Dia 5 de setembro - A Luz dos Lugares

13. Zé Viajante





Castelo de Borba.

12. Zambujal




                    O NOSSO QUERIDO MÊS DE AGOSTO
                                    
                                   A LUZ DOS LUGARES.

                       em alguns agostos. naquele lugar. 
Era em Agosto. Começava pela tarde. Quando acabava o dia de trabalho dos que não tinham férias… Ou para os que as tinham noutro mês, noutros lugares.
Convidava-se quem, a seu gosto, viesse animar o dia.
A gosto de… com os seus convidados.
E falava-se de livros, ou lia-se, ou ouvia-se música,
ou mostravam-se fotos, ou ensinava-se tiro ao arco.
                                          A gosto de…
Para os convidados do convidado, para os que viessem.
Naquele Agosto, nos fins de tarde.
E acendiam-se luzes porque o lugar era numa cave.
Foram poucos os Agostos. Mas deixaram saudades.
                                     Ao Som da Tinta! Em Ourém.
Zambujal

11. Teresa Silva



A luz do castelo de Palmela (24 Agosto 2019).
Teresa Silva

10. Mónica

9. Mena M.



A luz da Praia de Santa Cruz num dia em que o nevoeiro tomou conta de tudo. Desta feita veio à tardinha, do lado do mar e tudo se transformou em mistério. 
Mena

8. Margarida


Altura era, na altura, inóspita e apenas habitada por locais, entenda-se, por pescadores.
Ansiávamos – nós, as primas – por esses 15 dias de areia branca, água salgada e vinho verde Gatão.
O mar era morno e a luz das luas convidativa. Da janela do nosso querido r/c fugíamos naturalmente, ajudadas por 1 tia mansa e permissiva. E voltávamos algumas horas depois, quando não madrugada dentro, ébrias de idade, areadas de pés, vidradas de olhar e de esperança.
Eram os nossos loucos anos 70. 
Margarida

7. M.



A luz dos lugares tem afinidades com os que lhe são íntimos ao longo de muitos anos. 
Em tempos idos, nem as paredes da casa nem as crianças que ali viviam os meses de verão se importavam com as respectivas estaturas. Existia aquela espécie de porta de casa de bonecas que abria e fechava à passagem desenfreada de meninos em busca de brincadeiras novas e pronto, tudo era festa. Apenas os adultos mostravam algum cuidado ao entrar e sair, não fossem as suas cabeças supostamente experientes provocar litígios com o lintel da porta, ao ponto de criarem galos onde ninguém pensa que cresçam, ou verem pássaros a esvoaçar entre estrelas coloridas. E porque, como diz o ditado popular Cada um em sua casa é rei, esses nossos conhecidos de penas apresentam-se sem dúvida mais garbosos quando anunciam um novo dia nas manhãs orvalhadas ou debicam nos campos de terra batida acompanhados da sua prole.
Ora aconteceu que alguém com artes de desenho, prevendo que os meninos medram como as culturas na aldeia, teve a ideia brilhante de ali colocar um aviso divertido para evitar problemas aos distraídos. E passou a velha casa de grossas paredes de pedra, que em tempos tinha sido curral de cabras, a sentir-se honrada com as vénias que a todo o momento lhe são prestadas. E nós felizes por podermos continuar a observar constelações de estrelas no céu das noites límpidas de verão. 
M

6. Luisa



O Agosto da minha terra tem (tinha ?) uma luz que não conhecia noutros sítios. 
Luisa

5. Licínia



A luz do Sol de Agosto fez-se flor no meu lugar. 
Licínia

4. Justine



Aparece em Agosto. Pontualmente. Perfeita, viçosa, indiferente ao calor. Ilumina-me as manhãs e serena-me os fins de tarde deste mês meio tonto. A minha querida dália! 
Justine

3. Isabel



Um dos lugares da minha infância e juventude, tem a luz de Verão que os meus olhos viram como a mais bonita, porque era lá que passava o melhor mês do ano: « o meu querido mês de Agosto »! 
Isabel

quarta-feira, setembro 04, 2019

2. Bettips



Dizendo: nunca gostei do mês de Agosto, desde o tempo em que o nome dos meses se escrevia obrigatoriamente com "letra grande". Oferecia-me sempre para trabalhar, quando todos iam de férias. Acumulava funções e misteres, e trabalhava o dobro. Mas saía da corrente, do êxodo, das multidões. E a cidade era quente; e contudo mais repousante.
Agora, que todos os reformados têm tanto que fazer neste mês, aprecio as pequenas coisas que acontecem. E basta um canto de rua onde se habita, por acaso e necessidade, para sorrir com ironia: "meu querido mês", que me deslocas, que me colocas, onde nunca estaria de vontade assumida. Onde apenas uma luz me chama e me acende a velha chama.
Lisboa, Agosto 2019 

Bettips

1. Agrades



Julho, festa a celebrar o reconhecimento de Mafra como Património da Humanidade. 
Agrades

domingo, agosto 25, 2019

AGENDA PARA SETEMBRO DE 2019

Inspirada no título do filme de 2008 Aquele Querido Mês de Agosto, do realizador Miguel Gomes, retirado do título da canção do cantor popular Dino Meira Meu Querido Mês de Agosto, proponho-vos que aproveitemos setembro para partilhar O Nosso Querido Mês de Agosto, tenha ele sido mais ou menos querido.
Assim, se vos apetecer aparecer no PPP com algo que achem interessante (fotografias ou textos, ou ambos) relacionado com o verão, aqui fica a proposta, sob o título:

O Nosso Querido Mês de Agosto

Proposta de M.
Dia 5 de setembro - A Luz dos Lugares
Dia 12 de setembro – As Sombras dos Lugares
Dia 19 de setembro – Os Agostos da Nossa Juventude
Dia 26 de setembro - O Tempo dos Outros

segunda-feira, julho 08, 2019

CONVITE DA MENA (CLICAR NA FOTOGRAFIA)

A PEDIDO DA MENA

LISBOA / BERLIM / MALMÖ - De Mãos Dadas
sábado, 13 de Julho 2019, a partir das 17,30 horas na
Galeria Espaço Artever
Rua Padre António Vieira, Loja 22-B
Venda Nova, Amadora

quinta-feira, junho 27, 2019

CHEGADOS AO FIM DE JUNHO...

E assim ficamos hoje, que já apetece algum tempo de pausa nas nossas tarefas semanais. 
Voltaremos a encontrar-nos aqui em setembro para os habituais desafios, se assim o desejarem. Entretanto, como combinado, espero que nos vejamos dentro de dias.
Obrigada pela vossa companhia durante estes meses que passaram a correr e nós com eles. Ou o contrário, mas isso talvez seja indiferente, o importante é o que fica.
Até breve! Ou inté!, como gosto de dizer.
M

O DESAFIO DE HOJE

Proposta de Mena
Dia 27 - Fotografando as palavras de outros sobre o poema

Tempo Livre

Numa tarde de domingo, em Central Park, ou
numa tarde de domingo, em Hyde Park, ou
numa tarde de domingo, no jardim do Luxemburgo, ou
num parque qualquer de uma tarde de domingo
que até pode ser o parque Eduardo VII,
deitas-te na relva com o corpo enrolado
como se fosses uma colher metida no guarda-
napo. A tarde limpa os beiços com esse
guardanapo de flores, que é o teu vestido
de domingo, e deixa-te nua sob o sol frio
do inverno de uma cidade que pode ser
Nova Iorque, Londres, Paris, ou outra qualquer,
como Lisboa. As árvores olham para outro sítio,
com os pássaros distraídos com o sol
que está naquela tarde por engano. E tu,
com os dedos presos na relva húmida, vês
o teu vestido voar, como um guardanapo,
por entre as nuvens brancas de uma tarde
de inverno.
Nuno Júdice, in "Meditação sobre Ruínas", Lisboa Quetzal Editores, 1996

13. Zambujal



Em meditação sobre ruínas de um parque qualquer de uma cidade algures no tempo, pode ser Ourém… 
Zambujal

12. Teresa Silva

11. Rocha/Desenhamento



Banda de imagens interligadas como certas memórias do poema de Nuno Júdice («Tempo Livre») «Meditação sobre Ruínas», de 1996.
Rocha de Sousa

10. Mónica



"A tarde limpa os beiços com esse guardanapo de flores, que é o teu vestido de domingo"

9. Mena M.



«... ou num parque qualquer de uma tarde de domingo...»

8. Margarida

7. M.

6. Luisa

5. Licínia



"num parque qualquer de uma tarde de domingo" 

 (Exactamente numa tarde de domingo, num parque em Bruxelas.)

4. Justine



(fotografia em Central Park, NY, um domingo de picnic na relva!)

3. Isabel



"...o teu vestido de domingo..."

2. Bettips



"... numa tarde de domingo, no jardim do Luxemburgo..."