>

quinta-feira, Abril 04, 2013

11. Rocha/Desenhamento



                        Do
 
Do espaço que me envolve, terra solta e plantas secas, vejo os muros de um antigo lugar de camponeses, casas meio destruídas ou por completo arrasadas, as suas entranhas mostrando o sangue das pedras em grés. É estranho ver estas habitações dispersas e só constituídas por restos de muros ainda caiados, feridos de rachas, com janelas rombas, as pequenas salas abertas em palco para a paisagem, mas sem espectadores, excepto um ou outro cão dos arredores que por ali cheira antigas memórias, passos, sulcos de gente. Preso a uma certa nostalgia, porque nem uma só casa subsistiu na lenta morte em cadeia vagarosa, sou levado a sonhar com as imagens de uma qualquer plenitude, olhando móveis quebrados, malgas estilhaçadas, pratos e copos também, bocados do telhado estendidos sobre grande parte das coisas como a última manta poeirenta no definitivo final de um requiem.

Rocha de Sousa

7 Comments:

Blogger M. said...

Texto e fotografia a acompanharem-se de forma muito bela.

4/4/13  
Blogger agrades said...

Mete dó!

4/4/13  
Blogger Luisa said...

Lindo texto e bela fotografia.

4/4/13  
Blogger bettips said...

Deixei aqui algo escrito antes: sobre as assombrações que estas fotos nos deixam. Sobre as palavras de tudo o que é passado envergonhado, na pobreza instalada ou na riqueza em fuga.
(repito assim o comentário, ou a ideia, ao ver a foto "nostálgica")

6/4/13  
Blogger Benó said...

É triste ver estas ruínas.

8/4/13  
Blogger Justine said...

Belíssimo texto sobre o abandono, a decadência,o fim (a que tudo e todos chegam!)

9/4/13  
Blogger Licínia Quitério said...

O texto é muito bom, mas não foi pedido neste desafio. Isso é noutros... Este "amusement" que a M. nos proporciona é muito e bem variado. Temos é de estar atentos à "semanada" e o Amigo é um bocadinho distraído, o que até pode ser uma grande virtude, a somar às outras que lhe reconheço.

11/4/13  

Enviar um comentário

<< Home