>

quinta-feira, maio 09, 2013

6. Licínia



Há momentos assim.
Aproveitando a nesga de silêncio,
mansamente, no Sol em despedida,
sentaste-te no prado verde-luz,
varreste o céu com olhos de água.
Pressentindo a neblina, estremeceste.
De ambas as mãos entrelaçaste os dedos,
a aprisionar lembranças de regressos.

De súbito, um sorriso.
Uma ligeira curva nos teus lábios.
Nos teus olhos a brasa.
Foi golpe de asa
que te tirou a dúvida,
que te saldou a dívida.
Foi o ajuste de contas,
foi o virar da folha,
foi o pão para a boca,
foi o afago na nuca.

Que bom haver um fim de tarde 
em que nada acontece,
nada te perturba.
O gavião não paira
e o pardal emudece.

Licínia

8 Comments:

Blogger mena maya said...

Momentos inspirados e inspiradores ó poeta!

9/5/13  
Blogger M. said...

Que bom ler-te neste teu momento de beleza assim partilhado.

10/5/13  
Blogger agrades said...

Momentos de beleza que o fim de tarde sugere.

11/5/13  
Blogger bettips said...

Há momentos assim, quase orientais e contemplativos
em que as aves param, a ouvir e ver Poesia!

11/5/13  
Anonymous do Zambujal said...

Há momentos de poesia!
São bons...
Agradecem-se!

12/5/13  
Blogger Justine said...

Há momentos assim, em que somos brindados com um luminoso poema, que nos alegra o dia para além do momento...

13/5/13  
Blogger Luisa said...

Um belíssimo momento de poesia

13/5/13  
Blogger ~pi said...

Deslizar nas palavras como viagens - cada letra que leva, devolve o serena respiro de ser-em-si: ali e agora.






~

14/5/13  

Enviar um comentário

<< Home