>

quarta-feira, outubro 23, 2013

4. JAWAA

Era uma vez um menino irrequieto, vibrante, de cor vermelha como o Capuchinho, que continuamente dançava e percorria os palcos do corpo em estradas largas, estreitas, subindo, descendo os caminhos, a tomar fôlego a buscar combustível, periodicamente, em duas estações de serviço simétricas, uma de cada lado de sua casa.
Esse menino pulsante cresceu como príncipe da generosidade a atender todos os pedidos, a repor as energias em caso de guerra, a recuar perante os assaltos inesperados para retemperar forças, mas sempre alerta e presente, a entregar de bandeja as melhores sensações que um corpo pode almejar. Um dia teve um percalço e enganou-se nos caminhos, teimou, insistiu em continuar e saiu para além do que era o seu território
inundou destruiu entupiu.
Parou de pulsar.
De sua graça, Coração. 

Jawaa

5 Comments:

Blogger Rocha de Sousa said...


Imaginemos esta narrativa numa
parede urbana, inscrita como um
cartaz de rua. É um chamamento
que nos faz parar, ler e pensar.
Pedagogia ao ar livre, para todos.

24/10/13  
Blogger Justine said...

Belíssima metáfora, que começa num tom de estória infantil e vai crescendo até se revelar!

24/10/13  
Blogger bettips said...

Que linda descrição, Jawaa, como um rio. Seguimo-la com o coração batendo, suave e comovido, pretendendo "nunca sair das margens, nunca chegar à foz".

24/10/13  
Blogger M. said...

Uma história linda que nos faz interiorizar de maneira muito simples o que se passa connosco.

25/10/13  
Blogger agrades said...

Coração independente.

27/10/13  

Enviar um comentário

<< Home