>

quinta-feira, outubro 17, 2013

5. Justine

Já abriram portas de casas habitadas por gente feliz. Já serviram para desvendar o interior de arcas cheias de segredos. Hoje, passadas que foram várias eternidades, as casas estão em ruínas, as arcas vazias. Acabou-se-lhes o préstimo…
Justine

6 Comments:

Blogger M. said...

Terrível a constatação da utilidade dos objectos ao longo dos tempos. Mas, acima de tudo, o que importa é o que cada um vive, e como vive, no tempo que lhe é dado. Se foi feliz, se soubermos que foi feliz, custa menos o confronto com a realidade do perecível.

18/10/13  
Blogger Licínia Quitério said...

Nada vale para sempre, mas os homens não sabem disso e continuam a aferrolhar tesouros. Que sempre deixam de valer!

18/10/13  
Blogger bettips said...

Ficarão para lembrar que tudo é perecível, da vacuidade de juntar "coisas" em vez de conhecimento.
Foi isso que me fizeste lembrar, Justine.

18/10/13  
Blogger Luisa said...

Ainda bem que alguém as guardou e no-las mostrou agora como objecto de arte.

19/10/13  
Blogger Benó said...

Tens razão, Justine. Já tiveram o seu préstimo e agora são objeto de museu.

20/10/13  
Blogger jawaa said...


Foram substituídas por outros utensílios cada vez mais sofisticados, mas vão sempre permanecer como símbolo de não-partilha.

21/10/13  

Enviar um comentário

<< Home