>

quinta-feira, dezembro 15, 2016

6. Licínia

Estão lá os sinais de um outro tempo não muito distante em que interiores como este podiam ser locais de convívio e diversão. De uma partida de bilhar ou de póquer em mesa de quatro com seus cadeirões de arredondar o corpo. A entrada, em porta giratória, permitia ao mesmo tempo a abertura permanente e a protecção do exterior. As luzes e os espelhos davam o tom de magia, a necessária para quem ali procurava recreio e evasão. 
Não são assim os espaços que hoje nascem com propósitos idênticos. É outro o ritmo de quem os procura, sobejas vezes para se aturdir, se dissolver na multidão que não pára, não pára.
Talvez não seja nada disto o que a foto retrata, mas foi o que eu quis ver e assim escrevi.
Licínia