>

quinta-feira, fevereiro 14, 2013

2. Benó



O vazio instalou-se nesta rua alentejana. Nem pessoas, nem cão ou gato, nenhum sinal de vida. As flores às janelas estão secas, morreram. Sim, porque as flores gostam da companhia das gentes e quando umas desaparecem as outras morrem à míngua de carinhos. Certamente, por aqui correram crianças empurrando os seus arcos ou pontapeando alguma bola de trapos. Ao fim do dia, rodaram carroças puxadas pelas bestas já conhecedoras do caminho que até se dirigiam, sem guia, para o seu destino. Passearam namorados rindo e brincando tendo no olhar aquele brilho especial que só o amor consegue dar. Houve alegria, vida, movimento. Hoje, só o vazio mora aqui.

Benó

9 Comments:

Blogger M. said...

A lembrar um excerto de uma novela realista que nos deixa em suspenso enquanto subimos a bela rua. Subimos com ele, e através dele, o vazio da existência que tantas vezes a devora. Mas ao mesmo tempo preenchemos também esse vazio pela descrição do que foi a vida ali.
Muito bonito.

14/2/13  
Blogger jawaa said...


Uma calçada única, paredes caiadas. Tenhamos fé que os ventos mudem e as flores passem a ser regadas e as crianças saiam de novo à rua.

14/2/13  
Blogger Justine said...

O abandono de tanta aldeia onde se vivia antigamente no aconchego das relações humanas, quentes e amigas! Como é triste este vazio...

14/2/13  
Blogger bettips said...

Imaginemos... que estes belos vazios se poderiam encher de vida e risos, subindo a calçada chinelando e dando carinho às flores.
Imaginemos que o Alentejo não é um sítio de velhos mas um lugar de descobertas, de raízes.

14/2/13  
Blogger agrades said...

Um vazio que não significa abandono; as casas continuam caiadas, as ruas varridas... Estará muito calor, e as pessoas recolhem-se? Certamente será.

14/2/13  
Blogger Luisa said...

Tenho esperança de que a ideia da Agrades sobre este vazio seja a certa. Ou terão imigrado todos?

16/2/13  
Anonymous Anónimo said...

De uma fotografia melancólica, uma
ideia semelhante anterior. Mas
aqui trata-se de uma espécie de vaziosocial, a ausência dos seres
e do seu ir e vir de outrora.

Rocha de Sousa

17/2/13  
Blogger Licínia Quitério said...

Pouca gente para tanta terra. Este parte, aquele parte...

18/2/13  
Anonymous do Zambujal said...

O vazio da desertificação que se diria estratégica. A dinâmica a ter de ser corrigida mas, enquanto se não tem força para isso, a descobrir-se-lhe beleza, embora triste.

19/2/13  

Enviar um comentário

<< Home