>

quinta-feira, fevereiro 14, 2013

13. Zambujal



O Vazio… é, também, um estado de espírito. Ou um soco no estômago, o que não é o mesmo mas é igual.
No meio de uma viagem turística, com os olhos (e o espírito) cheios de beleza e verde e mar e equador, a brutalidade de um espaço vazio, abandonado, degradado, ruína industrial. Que foi um hospital numa roça em S.Tomé e Príncipe. Quando os mercados eram de cacau para a indústria do chocolate com sede na Suíça e algures.
Hoje… um vazio. Um soco no estômago. Os mercados são outros. Que nem doces são.

Zambujal

11 Comments:

Blogger M. said...

Sem dúvida, o vazio é, também, "um estado de espírito. Ou um soco no estômago...".
Terrívelmente triste, e igualmente bela e cheia de significados, a fotografia escolhida para acompanhar o texto. A fazer-nos reflectir sobre os gestos dos homens ao longo da História.

14/2/13  
Blogger Justine said...

A tristeza do abandono, das decisões sem sentido humano. Um vazio que conta uma estória de explorações...

14/2/13  
Blogger jawaa said...


A evolução semântica da palavra «mercados» faz dela ameaçadora como canhões de guerra.
Esta imagem - para mim dolorosa - de vazio faz-me pensar sempre na teimosia dos homens insistindo em arrasar tudo o que existe, apoiados na soberba de refazerem melhor, quando seria tão mais fácil preservar e aprofundar, alterando embora.

14/2/13  
Blogger bettips said...

Porque as roças
porque o cacau
porque a riqueza de um povo
porque a escravidão de um povo mais a escravidão dos mercados,

tudo nos provoca o olhar-pensar neste vazio tão degradante.

14/2/13  
Blogger agrades said...

Um vazio confrangedor.

14/2/13  
Blogger bettips said...

Jawaa: estou PROFUNDAMENTE de acordo contigo! Melhorar o que existe, transformar o que não tem préstimo!

15/2/13  
Blogger Luisa said...

Um tio-avô meu morreu em S. Tomé e Principe. Quem sabe se ele foi "tratado" num hospital como este?

16/2/13  
Anonymous Anónimo said...

Excelente fotografia e dramática
memória, com um texto bem integra-
do.

Rocha de Sousa

17/2/13  
Blogger Licínia Quitério said...

Retrato do que já não é. Tão efémero o tempo da abundância, tão longo o tempo do vazio.

18/2/13  
Anonymous Zambujal said...

Obrigado. O (meu) vazio, enquanto estado de espírito, ficou bem preenchido com os vossos comentários, neste momento de convívio.

19/2/13  
Blogger Benó said...

Há tantos vazios iguais a este, por este mundo fora.

19/2/13  

Enviar um comentário

<< Home